Cotidiano

Após 5 anos desativado, Memorial da Cultura Indígena abre as portas na Capital

Cacique Enir Terena foi lembrada em cerimônia

Guilherme Cavalcante Publicado em 27/03/2018, às 14h49

None

Cacique Enir Terena foi lembrada em cerimônia

Foi entregue nesta terça-feira (27) a revitalização do Memorial da Cultura Indígena, localizado na Aldeia Urbana Marçal de Sousa, no bairro Tiradentes, em Campo Grande. A cerimônia foi permeada de homenagens e referências a sua fundadora, Enir ‘Terena’ Bezerra, a primeira cacique de uma aldeia urbana do país, falecida em junho de 2016.

Realizada após parceria entre a Prefeitura de Campo Grande e o Governo do Canadá, a revitalização contou com investimento de cerca de R$ 80 mil, oriundos do Fundo Canadá para Iniciativas Locais, que financia projetos em diverso lugares, na perspectiva dos direitos humanos, diversidade e inclusão e empoderamento de comunidades indígenas e mulheres.

Após 5 anos desativado, Memorial da Cultura Indígena abre as portas na Capital

“Minha mãe foi a primeira cacique da Marçal de Sousa, a fundadora, e a primeira cacique mulher do Brasil. Ela teve muito desgosto de ver o Memorial fechado por tanto tempo, abandonado, sem apoio nenhum. Por isso a alegria desta inauguração. Agora vamos poder mostrar para a população e aos turistas a dança, comida típica e o artesanato”, aponta o cacique, emocionado.

Parcerias

O embaixador do Canadá no Brasil, Riccardo Savone, destacou o esforço do pais em, através do Fundo, trabalhar pela preservação da cultura indígena. “Temos que ter o mesmo cuidado com os outros povos indígenas do mundo. Esse é o papel do Fundo, que é muito pequeno. Todavia, as parcerias são mais importantes”, destaca.

O Prefeito Marquinhos Trad (PSD) destacou a importância das parcerias em obras como a revitalização do Memorial e considerou sua exploração turística, já que se trata de um espaço acolhedor, tanto para a população quanto para os turista. “Estamos devolvendo á nossa cidade um pouco da história desses indígenas. Campo Grande tem a maior aldeia urbana de todo o país, além de ser uma das maiores comunidades Terena brasileiras”, disse.

A revitalização contou com 35 mil dólares canadenses que, convertidos em real em outubro de 2017, resultaram em R$ 80 mil. A Prefeitura de Campo Grande foi responsável pela execução da obra e a empresa MRV, que possui empreendimento habitacional nas imediações da aldeia, contribuiu com as tintas para a pintura do prédio.

Com a entrega da obra, a Sectur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo) fará a reabertura do Bazar de Artesanato e a realização de cursos contínuos de Dança, Música e Artes Indígenas para todas as comunidades de Campo Grande. A Semu (Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres) dará continuidade ao programa de qualificação da população indígena urbana do Município.

Além da revitalização, o Memorial ganhou novo mural de 30 metros de extensão, produzido pela artista plástica canadense Fanny-Pierre Galarneau com jovens indígenas, que representa a união das culturas indígenas canadenses e brasileiras e homenageia a fundadora da aldeira, Enir ‘Terena’ Bezerra.

As atividades do dia contam, ainda, com o seminário “Seno Kopenoti”, a partir das 15h, que proporcionará a troca de experiências entre mulheres indígenas da região de Campo Grande e uma representante das primeiras nações do Canadá, buscando principalmente o empoderamento das mulheres.

Jornal Midiamax