Cotidiano

Viatura estava regulada, mas Sesau admite ‘desencontro’ em senha da confusão

Senha de bombeiros impedidos de entrar com viatura não existia

Midiamax Publicado em 08/08/2017, às 11h16

None

Senha de bombeiros impedidos de entrar com viatura não existia

​Assessoria de comunicação da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) confirma que houve “desencontro de informações no que foi repassado pela Central de Regulação ao Corpo de Bombeiros” no último sábado (5), quando uma viatura foi impedida de entrar com ambulância no Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia. Segundo as informações, a viatura foi regulada para o hospital. 

A assessoria de comunicação da Sesau não explica à equipe de reportagem do Jornal Midiamax o que provocou a divergência entre a senha registrada no Núcleo Interno de Regulação e a apresentada pelos militares, no entanto, observa que “o hospital foi comunicado da gravidade do caso”.

De acordo com o tenente-coronel e chefe de comunicação do Corpo de Bombeiros, Marcelo Dias, a equipe foi acionada para atender uma ocorrência de acidente de trânsito envolvendo carro e moto. No local, os militares constataram que a vítima estava com politraumatismo e fratura exposta na perna e que direcionados pela central de regulação encaminharam o paciente para a Santa Casa, mas no local foram impedidos de entrar por divergência na senha.Viatura estava regulada, mas Sesau admite 'desencontro' em senha da confusão

“A equipe se deparou com o portão fechado, pediu para que abrisse e o hospital se negou mesmo depois de informado de que a situação era grave. Esperamos [equipe] toda a rotina de comunicar a portaria via rádio e eles tiveram dificuldade de encontrar o encaminhamento pela senha informada. Temos preocupação imensa com a vítima e esperávamos seguimento disso no hospital”, declara.

Impasse em relação à senha,  resultou na prisão de dois porteiros, detidos pelos militares por obstruir a passagem da ambulância.

“Nenhum protocolo administrativo deve se sobrepor ao socorro. A ação da corporação está coberta e alinhada. Não tínhamos alternativa. Era uma vítima grave e regulada pela Central. A Santa Casa, pode fazer a defesa de que não encontrou a senha, mas houve regulação. Pode ter havido de ter informado a senha errada, mas com uma vítima grave, não existe justificativa”, defende Dias.

Por outro lado, o presidente da ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande) Esacheu Cipriano Nascimento,
justifica os funcionários e ressalta que eles cumpriam ordens de deixar entrar apenas pacientes encaminhados pela Central de Regulação, no entanto, a senha não existia.

“Infelizmente o agente chegou com uma senha que não confere. Nosso funcionário foi conferir com a regulação do município e ele [bombeiro] pulou, quebrou o portão de acesso e entrou com o paciente. É uma situação inusitada que está sendo apurada administrativamente e por via do inquérito policial”, observa.

Até o momento não se sabe o motivo pelo qual a senha não foi encontrada na Central de Regulação.  Procedimento interno será instaurado pelo Corpo de Bombeiros para apurar o caso. O fato também é investigado por meio de inquérito policial e pela Sesau.

Jornal Midiamax