Cotidiano

Santa Casa não oferece contraproposta e médicos podem entrar em greve

Médicos autônomos não recebem desde maio

Midiamax Publicado em 27/06/2017, às 19h05

None

Médicos autônomos não recebem desde maio

O impasse dos médicos junto a Santa Casa continua. Após a negativa pela classe de receber os salários, durante 8 meses, todo dia 20, o hospital não ofereceu contraproposta e a categoria já sinaliza greve. Nesta terça-feira (27), o presidente do Sinmed-MS (Sindicato dos médicos de Mato Grosso do Sul), Flávio Freitas Barbosa, participou de uma audiência de conciliação junto à representantes do hospital no MPT-MS (Ministério Público do Trabalho de Mato Grosso do Sul.

Foi a última vez que o MPT-MS tentou conciliar a questão, conforme explicou o procurador Paulo Douglas Almeida de Moraes. O hospital não paga os salários dos médicos autônomos desde maio. Além disso, a Santa Casa ainda deve aos médicos celetistas férias e horas extra.

“Anuncia, possivelmente, uma paralisação, o que nós gostaríamos de evitar. Agora temos até o 5º dia útil e esperamos que o hospital se sensibilize para que melhore essa proposta. Em paralelo, o MPT ajuizou já uma ação exigindo que a Santa Casa pague no 5º dia útil”, comentou o procurador.

Santa Casa não oferece contraproposta e médicos podem entrar em greve

Entenda

O Sinmed-MS já enfrenta uma greve dos profissionais da rede municipal de saúde, e tenta reverter a decisão judicial que pede o fim da paralisação. Na Santa Casa trabalham cerca de 720 profissionais, desse total, 30% são do regime celetista e outros 30% autônomos, o restante se enquadra em outros tipos de vínculo trabalhista.

Além desses profissionais, o pagamento dos médicos residentes – que recebem bolsas – ficou atrasado até o último dia 20, quando receberam do hospital. Os residentes, conforme explicou o presidente do Sinmed-MS chegaram a realizar assembleia para discutir a exigência do pagamento das bolsas no 5º dia útil. Os representantes da Santa Casa não quiseram falar com a imprensa.

A Santa Casa pede que durante 8 meses – alegando resolver o fluxo de caixa – os médicos aceitem receber todo dia 20 de cada mês, o que a categoria rejeita.

Jornal Midiamax