Cotidiano

Reinaldo recua de ‘reajuste zero’ e pede até 3 de julho para resposta a servidores

Sindicatos vão continuar mobilizações

Midiamax Publicado em 09/06/2017, às 20h11

None

Sindicatos vão continuar mobilizações

Depois de três horas de reunião, representantes dos servidores públicos estaduais de Mato Grosso do Sul saíram da Governadoria com um pedido de prazo, até 3 de julho, para uma nova resposta do governo sobre reajuste salarial. É a primeira vez, desde o início das conversas, que o governo não é taxativo sobre reajuste zero, como vinha sendo falado.

A data-base dos servidores é maio, mas eles já receberam os salários em junho sem reposição salarial e o governo, desde o início das conversas, vem afirmando que não tem como aumentar os salários, alegando queda na receita estadual. Na reunião desta sexta-feira, a informação dada aos servidores é que a resposta depende de tratativas que estão sendo feitas com o Governo Federal, envolvendo a renegociação de dívidas, entre elas valores relacionados ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), e também de compensação por perdas com a Lei Kandir, que isenta de imposto produtos primários exportados.

A conversa do Fórum dos Servidores de Mato Grosso do Sul foi, pela primeira vez, com o governador Reinaldo Reinaldo recua de 'reajuste zero' e pede até 3 de julho para resposta a servidores

Ao final, Riedel anunciou que uma resposta definitiva só no dia 3 de julho, quando os servidores já terão recebido mais uma folha de pagamento.

Protestos continuam

Do lado dos servidores, os representantes disseram, após a conversa, que as manifestações vão continuar, e a cogitação de greve continua. Um grupo de policiais civis permanece acampado na frente da Governadoria há 2 dias.

Coordenador-geral do Fórum, o tenente Thiago Mônaco disse que foi um primeiro passo e que a categoria vai aguardar o dia 3 de julho. Para ele, as mobilizações tem apoio da sociedade e por isso o governo está buscando alternativas. “Estamos amargando um atraso de três anos sem reposição inflacionaria constitucional”. Ele reforçou que a mobilização continua.

O deputado Cabo Almi (PT), que estava no encontro, afirmou que espera,agora, “bom senso” do governo para uma nova proposta aos servidores.Paulo Siufi (PMDB),também presente à reunião, disse que, embora a situação seja crítica, é preciso esperar agora a nova resposta do governo.

Hoje, a folha dos 70 mil servidores estaduais ativos e inativos é de R$ 450 milhões brutos.

Jornal Midiamax