Cotidiano

‘Prato cheio para dengue’: matagal toma conta de terreno, invade rua e revolta moradores

Prefeitura diz que vai fiscalizar o local 

Clayton Neves Publicado em 17/01/2017, às 01h02

None
f363a084-63f5-4846-ab22-73986ecf868a.jpg

Prefeitura diz que vai fiscalizar o local 

Quem passa pela Rua Taperoá , no Jardim Centenário, em Campo Grande, chega a se impressionar com a altura do matagal que toma conta de um terreno que fica na via. Abandonado, o local tem incomodado moradores e servido de depósito de lixo, focos do mosquito da dengue e criadouro de insetos. 

“O matagal invade quase até metade da rua, com as chuvas, as pragas têm invadido minha casa. Minha filha não pode nem brincar no quintal, imagina a quantidade de pragas que matamos dentro de casa, mesmo deixando tudo fechado”, diz uma moradora.

Em uma imagem enviada, é possível ver o matagal que toma conta de todo o terreno e se estende até a área da rua. De acordo com a denunciante, várias reclamações já foram protocoladas na Prefeitura, mas até o momento o problema não foi resolvido.

Em resposta, a Prefeitura informou que vai enviar agentes para que façam a fiscalização do local para que as devidas providências sejam tomadas. De acordo com o Município, a Semadur tem feito vistorias nos bairros da Capital. Uma vez identificado o imóvel ou lote urbano sujo, o proprietário é notificado a realizar a limpeza.

“Transcorrido o prazo, o agente fiscal da Semadur retorna ao local para vistoria, caso não tenha sido cumprida a notificação, o proprietário então é autuado (multado), de acordo com o Código de Polícia Administrativa do Município/ Lei n. 2909, Artigo 18-A. A multa neste caso varia entre R$ 2.187,00 e R$ 8.748,00, sendo a mesma implantada na inscrição imobiliária do imóvel.”

O telefone para denunciar terrenos baldios é o 156.

Jornal Midiamax