Cotidiano

Ponte entre Camapuã e São Grabriel do Oeste está há quase 3 meses quebrada

Moradores de propriedades rurais e produtores cobram resposta

Midiamax Publicado em 10/01/2017, às 20h22

None
15936826_10212112078421771_3413549789300455362_o.jpg

Moradores de propriedades rurais e produtores cobram resposta

Na rodovia estadual MS 142, a ponte que liga os municípios de Camapuã, 135 km da Capital, a São Gabriel do Oeste, 133 km de Campo Grande, é de madeira. Ao menos assim ela era, antes de desabar no dia 19 de outubro. Um caminhão carregando cascalho, da Agesul (Agencia Estadual de Gestão de Empreendimentos), passava pela estrutura, que não aguentou o veículo, e foi ao chão, levando o caminhão junto. Agora, quase 3 meses depois, a situação é a mesma, já que a ponte não foi consertada. Na região, crianças estão sem ir a escola desde então. Trabalhadores rurais também têm dificuldade de ter acesso a cidade de Camapuã, e proprietários rurais estão impossibilitados de escoarem a produção.

"Nós temos duas propriedades depois da Ponte, em Camapuã. Pra sair com o meu gado gordo é impossível, têm dois filhos de funcionários que estudam, e com a ponte caída não estão podendo estudar. Uma das propriedades é do meu pai, e cortou o acesso pra ir pra outra estrada que vai até São Gabriel do Oeste", conta Ricardo Arantes Junior, 41, pecuarista. O 'gado gordo' ao qual se refere Ricardo são os animais destinados a frigoríficos, e o ramo em que o proprietário mais atua. O prejuízo estimado pelo produtor é de mais de R$ 500 mil.

Ricardo também afirma que a situação da rodovia dificulta o trânsito no local. "Essa estrada, 36 km de Camapuã, pra mim ir [sic] pra Camapuã eu tenho que ir até São Gabriel. Na estrada, não sobe caminhão, só camionete traçada e quando chove nem camionete traçada não sabe. Desde sempre só tem essa ponte. E tem mais um punhado de pontes nesse mesmo estado, que liga a minha fazenda. Ninguém pode ir lá olhar gado, a fazenda nossa é na beira da rodovia estadual, ela sempre foi ruim. Mas agora não sai caminhão, tem um pessoal de transportadora, de frigorífico, que não vai mais lá", explica.

O pecuarista declara estar com as contas atrasadas. "Estou atrasando contas, funcionários, têm duas famílias prejudicas. Eu pago tanta coisa, Fundersul [Fundo do Desenvolvimento do Sistema Rodoviário de Mato Grosso do Sul] pra arrumar estrada eu pago".

Estrada também dificulta o trânsito (divulgação)Ricardo está no MPE (Ministério Público Estadual) em Camapuã, onde pretende "tomar providências". Ele descreve já ter ido ao local mais de três vezes. "Eu estive com o engenheiro da Agesul de Camapuã, falei com ele várias vezes, ele falou que junho vai começar a obra, uma coisa daqui para o final do ano", afirmou.

O governo do Estado, por meio da assessoria de imprensa da Seinfra (Secretaria de infraestrutura do estado), afirmou que "a ponte sobre o rio Coxim será realizada em concreto". A assessoria explicou que o projeto de construção já foi licitado, e que a Agesul aguarda a entrega do mesmo. Após a entrega, uma nova licitação é feita, para a escolha da empresa executora da obra.

Jornal Midiamax