Cotidiano

Obras de R$ 129 milhões paradas há 5 anos podem ser destravadas até dezembro

Parte deste montante foi garantido

Midiamax Publicado em 05/07/2017, às 16h09

None

Parte deste montante foi garantido

Em construção desde 2012, o Parque Linear do Bálsamo deve ter continuidade ainda neste ano, assim como os antigos projetos de execução da requalificação do Anhanduí e a pavimentação dos bairros Nova Lima e Vila Nasser, obras que juntas precisam de R$ 129,4 milhões para serem concluídas. Parte deste montante foi garantido em reunião nesta quarta-feira (5), em Brasília, entre o Prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD) e o Presidente da República Michel Temer (PMDB).  

A Prefeitura informou que uma das obras de pavimentação pode ter início dentro de um mês. “Iniciamos a agenda de forma bastante positiva, garantindo recurso para continuidade de obras importantes de requalificação do Anhandui e de término do Bálsamo, mas também ficamos muito satisfeitos em poder anunciar que os moradores do Nova Lima e Nasser já começarão a receber em breve o asfalto tão sonhado”, declarou o prefeito.

Bálsamo

O prefeito pediu recursos para concluir o projeto do Parque Linear do Bálsamo compreende o prolongamento da Avenida Rita Vieira até a Avenida Guaicurus e da Rua Victor Meirelles, que se estende até a Avenida Gury Marques e do acesso à estação rodoviária. Iniciada em 2012, a obra foi paralisada anos depois e teve várias promessas de retomada, mas nenhuma leva adiante. 

A segunda etapa da obra está 62% concluída e ainda faltam R$ 24,1 milhões para a sua conclusão. O trecho mais avançado é a abertura de uma via entre a Avenida Rita Vieira, passando pela Três Barras e chegando na altura do macroanel rodoviário. 

No trecho não concluído, a Águas Guariroba vai remanejar uma adutora.  Essa etapa foi orçada em R$ 6,3 milhões, já houve investimento de R$ 3,9 milhões e há um saldo de contrato de R$ 2,3 milhões.  A etapa ainda não licitada prevê a abertura de uma avenida (a partir da Gury Marques), no Jardim Monumento, com término na Avenida Guaicurus. Neste trajeto estão previstas 121 desapropriações.

O Projeto Bálsamo compreende 12,5 quilômetros de pavimentação; 11,7 de drenagem; 4,6 de ciclovia, além de um centro de triagem de recicláveis; quatro quadras poliesportivas; centro comunitário e dois pórticos de entrada. Quando tiver concluído, terá impacto no sistema viário, criando alternativas de tráfego para 500 ônibus de viagens, que não precisarão entrar no centro da cidade para chegar à estação rodoviária, porque abre vias de ligação com o macroanel.

Anhanduí

A primeira etapa do projeto de drenagem e controle de enchentes do Rio Anhanduí (R$ 47 milhões), entre as ruas Santa Adélia e Aquário, já está em processo de licitação. O Ministério das Cidades chegou a anunciar que cancelaria o projeto, pendente desde 2012, mas o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), Rudi Fiorese, conseguiu manter o convênio, com compromisso de entregar novo projeto na Caixa Econômica Federal.

O trecho previsto, entre as ruas Santa Adélia e Aquário, se estende por 2,4 quilômetros, somando 4,8 quilômetros nas duas margens do rio, onde a erosão coloca em risco as pistas da Norte/Sul a Avenida Ernesto Geisel. Este novo orçamento, submetido à superintendência regional da Caixa Econômica, inclui obras de drenagem, recomposição dos taludes e sistema gabião de canalização, recapeamento da Avenida Ernesto Geisel, ciclovia e sinalização de trânsito. 

Jornal Midiamax