Morreu atropelada ao descer após primeiro dia em escola nova

Nesta quinta-feira (1º), um dia depois da estudante Bruna Lorraine, de 13 anos, morrer após ser atropelada ao descer de um ônibus escolar no KM 386 da BR-060 em Campo Grande, pais reclamam da falta de monitor. Conforme as informações, o motorista faz o transporte sem a ajuda de auxiliar e é ele quem orienta as crianças à subirem e descerem do veículo. 

Segundo as informações, o acidente aconteceu na tarde dessa quarta-feira (31), no primeiro dia de aula de Lorraine. Há três dias a menina foi morar com a avó e a irmã, de 8 anos, no acampamento União da Vitória, onde estão acampadas cerca de 80 famílias. 

De acordo com relatos, todas as crianças que vivem no local, situado às margens da rodovia, estudam na  Escola Municipal Olinda Brito de Souza, localizada em Sidrolândia. O colégio é o mais próximo do acampamento. Morte de aluna em rodovia revela falha no transporte escolar, dizem pais

O transporte dos estudantes é feito por um veículo disponibilizado pela Prefeitura de Sidrolândia, distante 70 quilômetros da Capital.

Aldo Silva Dourados, de 57 anos, pai de dois alunos que moram no acampamento e estudam em Sidrolândia, critica a situação.  

“Quantas crianças precisam morrer para que se resolva a situação dos acampados?  Precisa de alguém para ajudar no cuidado com as crianças durante o transporte”, observa. 

Os pais dizem que quando o ônibus retorna com as crianças, no fim do dia, o motorista permanece no sentido de Sidrolândia para Campo Grande, no entanto, alguns dos estudantes moram do outro lado da pista e precisam atravessar a rodovia. 

Lucia Pires, de 51 anos, é mãe de um dos alunos. Ela afirma que o acidente poderia ter sido evitado. “Isso não aconteceria se o motorista desse a volta e deixasse as crianças no mesmo lado em que elas moram”, destaca.

Os pais também ressaltam que o ônibus é lotado e alguns estudantes são transportados em pé. A assessoria de comunicação da Prefeitura nega a informação e assegura que a capacidade é de 55 passageiros e que apenas 47 são transportados.

A assessoria de comunicação garante que o motorista só permite que as crianças desçam do veículo se estiverem acompanhadas por um responsável e frisa que ontem a avó da estudante estava do outro lado da rodovia e por isso o condutor permitiu que a irmã mais nova da vítima e ela descessem. 

Após o acidente a Secretaria Municipal de Educação de Sidrolândia decretou luto oficial e as aulas foram suspensas.