Cotidiano

Mesmo no grupo prioritário, apenas 50% dos professores vão atrás da vacina

Meta para professores era de 12 mil pessoas vacinadas

Raiane Carneiro Publicado em 09/06/2017, às 18h38

None

Meta para professores era de 12 mil pessoas vacinadas

A campanha de vacinação contra a gripe chegou ao fim em toda a Capital nesta sexta-feira (9). Conforme os dados da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), foram 196.337 pessoas vacinadas, sendo 45.545 fora dos grupos prioritários após a liberação da imunização para toda a população. O grupo dos professores ficou na metade da meta estipulada.

A grande novidade deste ano na campanha de vacinação contra a gripe foi a inclusão dos professores das redes pública e privada pelo Ministério da Saúde entre os grupos prioritários. No ano passado, em Campo Grande, houve uma briga judicial para garantir esse direito.

A ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) chegou a conseguir uma liminar para garantir que a prefeitura cumprisse a lei municipal que estabelece a vacinação dos professores. Porém, neste ano, foram 6.579 pessoas imunizadas, o que representa apenas 50% da meta estipulada.

Para o presidente do ACP, Lucílio Nobre, o ano passado teve mais adesão pela epidemia que a Capital passou. “Tivemos baixa incidência de gripe neste ano. Por exemplo, nenhum caso [ de gripe] concreto chegou a até nós” explicou Nobre.

O presidente ainda reforçou que além da divulgação normal da campanha, o sindicato reforçou o pedido em suas redes sociais, eventos, palestras em escolas e por meio de representantes nas escolas, mas não houve grande procura.

O balanço divulgado pela Sesau mostra que até o dia 7 de junho foram vacinadas 146.792 (74,24%) pessoas que estão no grupo prioritário. Ao todo, o público alvo da campanha era de 197.737 pessoas.

O grupo dos idosos com mais de 60 anos foi o público que mais se vacinou, chegando a ter 68.068 (85%) pessoas imunizadas. Na sequência, vem as puérperas (mulheres até 45 dias após o parto) com a marca de 1.174 (67%), crianças com mais de 6 meses e menores de 5 anos com 35.732 (64%), gestantes com 5.304 (49%) e os profissionais de saúde que chegaram a marca de 13.569 (58%).

Além destes grupos, o Ministério da Saúde também priorizou os professores e 6.579 pessoas imunizadas. Entre os indígenas, foram 1.068 pessoas que receberam a vacina enquanto os portadores de doenças crônicas chegaram a marca de 12.738 (58%) doses aplicadas. A população privada de liberdade registrou 2.120 (49%) pessoas imunizadas e, entre os funcionários, foram 598 (52%).

Em Campo Grande, as vacinas foram distribuídas em 66 unidades entre CRS (Centro Regional de Saúde), UBS (Unidades Básicas de Saúde) e UBSF (Unidades Básicas de Saúde da Família). A campanha começou no dia 17 de abril e durou quase dois meses.

O Ministério da Saúde liberou a vacina para a população por não ter chegado as metas estipuladas para os grupos prioritários no tempo de campanha. Ainda há nos estoques uma reserva técnica de vacinas para aplicar o reforço nas crianças que tomaram a vacina pela primeira vez neste ano. 

Jornal Midiamax