Cotidiano

Médicos não entregam contraproposta e dizem que documento será enviado nesta semana

Prazo termina na segunda-feira

Midiamax Publicado em 05/07/2017, às 11h10

None

Prazo termina na segunda-feira

Impasse sobre o salário dos médicos que trabalham na Prefeitura de Campo Grande continua. Nesta quarta-feira (5), a assessoria de comunicação do Sinmed-MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul) informou de que ainda não entregou a contraproposta ao Município.

Segundo as informações, o documento com as exigências da categoria foi elaborado durante assembleia realizada na segunda-feira (3) após reunião com o prefeito Marquinhos Trad (PSD).

Na ocasião, o chefe do Executivo Municipal ofereceu aumento de 15% aos médicos, enfermeiros e odontólogos. O aumento não está inserido diretamente no salário dos servidores.

De acordo com a proposta anunciada pelo prefeito, o percentual seria acrescido por meio de incorporações, ou seja, abonos salariais, o que foi recusado pelos médicos.

O conteúdo da contraproposta é mantido em sigilo. A assessoria de comunicação do Sinmed diz que o Sindicato só vai se posicionar depois que o assunto estiver resolvido com o Município.Médicos não entregam contraproposta e dizem que documento será enviado nesta semana

Nessa terça-feira (4), o Sinmed chegou a dizer ao Jornal Midiamax que a contraproposta foi entregue à representantes da Prefeitura, no entanto, nesta manhã confirmou de que não foi possível entregar o documento e que o Sindicato tem até a próxima segunda-feira (10) para se posicionar sobre a proposta do Executivo.

Greve –

No último dia 26 os médicos deflagram greve e a Justiça, a pedido da Prefeitura, aplicou multa diária de R$ 10 mil ao sindicato da categoria, caso o manifesto permanecesse. Os médicos mantiveram o ato, o município ingressou com outra petição solicitando que a sanção fosse aumentada.

Na quinta-feira (29), o juiz determinou o aumento da multa para R$ 100 mil. O magistrado também solicitou que a Polícia Civil investigasse a conduta do Sinmed; autorizou a apreensão de veículos do sindicato e a utilização dos mesmos caso a Prefeitura precisasse socorrer pessoas carentes durante a greve que terminou no mesmo dia em que as novas determinações foram expedidas.

Na manhã de ontem, a assessoria de comunicação do Sinmed confirmou que a assessoria jurídica do Sindicato recorreu da decisão judicial horas depois de o sindicato ser notificado, mas até o momento há novidades sobre o caso.

Jornal Midiamax