Cotidiano

Final de semana tem mutirão contra o Aedes aegypti na região das Moreninhas

Bairro foi escolhido por ter alto índice de infestação

Mariana Lopes Publicado em 14/12/2017, às 13h18

None

Bairro foi escolhido por ter alto índice de infestação

Com alto índice de infestação do mosquito Aedes aegypti – transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya, a região das Moreninhas, em Campo Grande, terá mutirão neste final de semana. A ação começa amanhã (15) e continua no sábado (16), com agentes de saúde percorrendo o bairro e orientando os moradores a combater o mosquito.

Amanhã, a concentração será a partir das 7h, em frente ao Parque Jacques da Luz, de onde os agentes da CCEV (Coordenadoriade Controle de Endemias Vetoriais) irão sair e percorrer algumas ruas do bairro, orientando os moradores sobre a importância da prevenção e o cuidado para evitar a proliferação do mosquito, bem como solicitando a retirada dos materiais inservíveis.

Estes materiais serão recolhidos com auxílio de máquinas e caminhões da Sisep e encaminhados para descarte e reciclagem.

No sábado, a partir de 8h, será realizada blitz educativa no encontro entre as ruas Anaca e Barreiras, com distribuição de panfletos e caminhada.

​Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, as ações de combate ao Aedes, como a campanha “Operação Mosquito Zero”, garantiram uma redução de 95% dos casos notificados de dengue em relação ao ano passado.

Ainda de acordo com a Prefeitura, o serviço do fumacê foi retomado nos bairros com índice elevado de infestação.  Foi iniciado também este ano um projeto piloto para recolhimento de resíduos de grande volume, como sofás e televisores que, descartados de forma irregular, se tornam criadouros do Aedes.

O primeiro bairro a receber o projeto foi o Jardim Noroeste que apresenta pouco mais de 7% de infestação do mosquito. Em uma semana, cerca 10 toneladas de materiais inservíveis, pneus e resíduos de grande volume foram retirados de casas e terrenos.

Recentemente foi agregado ao trabalho de rotina do CCEV, que engloba a visitação e recolhimento de materiais inservíveis, feito pelos agentes comunitários de saúde e endemias, a utilização de um Drone para mapear e identificar possíveis criadouros e focos do mosquito em locais inacessíveis. Isso garante maior eficiência, pois através deste georreferenciamento é possível executar ações pontuais.

A ação é realizada pela prefeitura de Campo Grande, em parceria com as secretarias de Saúde (Sesau), Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) e comunidade. 

Jornal Midiamax