Cotidiano

Depois de 13 dias em greve, empresa promete pagar terceirizados do HU

Salário estava atrasado desde o dia 6 deste mês

Wendy Tonhati Publicado em 19/01/2017, às 13h22

None
e0bbdaae-bb6c-4908-b165-7548f3af91f5.jpg

Salário estava atrasado desde o dia 6 deste mês

Depois de 13 dias sem ver a cor do salário, os funcionários terceirizados do Hospital Universitário Rosa Pedrossian devem receber o pagamento na próxima segunda-feira (23). É o que prometeu a empresa responsável pelas contratações, a Máximus. A terceirizada acertou na última sexta-feira (13), a segunda parcela do 13°, que estava atrasada, mas, seguia até esta quinta-feira (19), sem previsão dos salários e dos benefícios. 

O vice-presidente Steac-MS (Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Asseio e Conservação), Tom Jean Ramalho, que representa os terceirizados, avalia o pagamento como uma manobra da empresa. “A empresa fez uma jogada. Pagou a segunda parcela do 13° e pediu que eles retornassem ao trabalho. Nesta quinta, eles entraram em contato e disseram que vai ser feito o depósito do salário", explica.

A greve os terceirizados começou no dia 5 deste mês, quando o prazo para o pagamento da segunda parcela do 13° terceiro salário venceu. Com o não pagamento do salário no dia 6, a greve ficou ainda mais forte. 

De acordo com informações do sindicato, a folha de pagamento atrasada totaliza R$ 365 mil e a média salarial dos trabalhadores é de R$ 1,5 mil. São 130 funcionários da manutenção, nutrição, banco de leite e laboratórios. Com a greve, pacientes e acompanhantes acabam sofrendo transtornos. 

A Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) informou por meio de nota, que a pendência sobre o repasse de dezembro para a empresa estava sendo resolvida. 

“Cabe ainda ressaltar que a empresa é obrigada, por contrato, a arcar com os pagamentos dos seus funcionários, quando somente uma parcela está em atraso”, informou. Ou seja, a terceirizada deveria manter os salários e verbas trabalhista em dia, ainda que a União não efetue o repasse em dia, pois é o que determina o contrato. 

Foto: Cleber Gellio

Jornal Midiamax