Cotidiano

Após queda de energia, termo de conciliação é feito a mão em Porto Murtinho

Fórum ficou sem energia após temporal

Raiane Carneiro Publicado em 01/12/2017, às 18h13

None

Fórum ficou sem energia após temporal

Uma situação inusitada aconteceu, nesta sexta-feira (1º), durante uma audiência de conciliação em Porto Murtinho, cidade a 454 quilômetros da Capital. O termo de conciliação precisou ser feito a mão devido à queda de energia no fórum. A audiência faz parte do programa do TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) de Semana de Conciliação, que aconteceu durante toda a semana no Estado.

De acordo com o TJ-MS, a audiência aconteceu nesta tarde sob o comando do juiz Cezar Fidel Volpe. Durante a conciliação, um forte temporal atingiu o município, o que afetou a energia no fórum da cidade.

Apesar da situação, que seria motivo para suspensão da audiência, a conciliadora Eloine Marques de Carvalho dos Santos encontrou uma solução simples para o problema, redigindo o termo conciliatório a mão. O documento manuscrito resolveu a questão que trouxe um cidadão e o representante de uma empresa para fechar um acordo na audiência.

“O tempo estava bem escuro, mas aqui é comum longas quedas de energia em dia de temporal. Quando o beneficiário, que é pessoa muito simples, chegou para a audiência e a representante da empresa esclareceu que tinha uma proposta boa a fazer, não tive dúvidas. Realizamos a audiência e redigi manualmente o termo. Com isso, evitamos que o beneficiário fosse obrigado a voltar em outra ocasião e permitimos que resolvesse a questão que tanto o incomodava”, explicou ela.Após queda de energia, termo de conciliação é feito a mão em Porto Murtinho

Para a semana de esforço concentrado que termina hoje (1º), foram pautados 3.244 processos para audiência conciliatória em todas as comarcas de Mato Grosso do Sul. A coordenação da mobilização em MS é responsabilidade do Des. Vladimir Abreu da Silva, coordenador de Conciliação do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), e do juiz Cezar Luiz Miozzo, sob a presidência do primeiro.

Jornal Midiamax