‘Todos os presos são nomeados políticos’, reclamam servidores de carreira

Vestidos de preto, em forma de luto, servidores do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) participam de uma manifestação pacífica nesta quarta-feira (30). O protesto acontece um dia após a Operação Antivírus que resultou na prisão diretor do órgão Gerson Claro (PSB), o adjunto Donizete Aparecido da Silva, chefe da Divisão de Execução Orçamentária, Finanças e Arrecadação Érico Mendonça e o diretor do departamento de TI (Tecnologia da Informação) Gerson Tomi e o diretor de Administração e Finanças Celso Braz de Oliveira Santos.

As prisões dos diretores do órgão foram efetuadas nessa terça-feira (29) por equipes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), no entanto, eles foram liberados na madrugada de hoje por meio de habeas corpus

O presidente do Sindetran-MS (Sindicato dos Servidores do Detran-MS), Octacílio Sakai, destaca que a manifestação é pela valorização dos servidores concursados. Ele ressalta que todos os investigados na operação são comissionados. Após prisões, concursados do Detran-MS se vestem de preto contra corrupção

“Todos os envolvidos sã comissionados. Nenhum deles são servidores que vestem a camisa do Detran-MS. Nosso protesto hoje é contra corrupção e pela valorização dos concursados”, declara.

Atualmente o Detran-Ms conta com aproximadamente 1.200 servidores em todo o Estado. O presidente do Sindetran-MS afirma que apenas 30% dos cargos de chefia são concursados. 

“Nossa Lei diz que ao menos 50% deveriam ser concursados. Temos no máximo 30%. O Detran se tornou em cabide político”, afirma. 

Antivírus

A operação investiga suspeitos de envolvimento em crimes de corrupção ativa, passiva, fraude em licitação, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. 

O Gaeco cumpriu nove mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária e 29 mandados de busca e apreensão. A Operação começou por volta das 7h da manhã de terça, e os agentes fazem buscas nos Blocos 7, 9 e 13, onde funcionam o setor de tecnologia da informação, a presidência e a diretoria de administração e finanças, respectivamente.

As equipes requisitaram a presença dos diretores dos respectivos departamentos para acompanharem os trabalhos de busca e apreensão. Celso Braz, Diretor de Administração e Finanças, Donizete e Gerson Tomi foram procurados em suas casas pelos agentes.