Cotidiano

VÍDEO: incêndio em favela destrói barraco em que 4 crianças dormiam

Morador acredita em incêndio criminoso

Wendy Tonhati Publicado em 21/11/2016, às 12h18

None
8cf8c3ff-b31d-406d-9cd8-8212757c8d71.jpg

Morador acredita em incêndio criminoso

Um incêndio, na noite do domingo (20), destruiu totalmente dois barracos da Favela do Linhão, no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Em um uma das moradias, dormiam quatro crianças, com idades entre 10 anos e 9 meses, quando o fogo tomou conta do local. 

Segundo os moradores, o incêndio começou por volta das 21h15, em um barraco cujo o dono, estava em uma igreja. Rapidamente, o fogo se espalhou para a casa vizinha, onde vive um casal com as quatro filhas. 

Agnaldo Fernandes, 39 anos, contou ao Jornal Midiamax que mora com a mulher, Lucimara dos Santos, 29 anos, e as quatro filhas. Eles haviam chegado da igreja, colocado as crianças para dormir e foram para a frente do barraco. Logo em seguida, viram o incêndio tomando conta do local. 

O casal correu para retirar as crianças de dentro de casa. Segundo Fernandes, quando ele foi acordar a filha de sete anos, o fogo já estava na coberta dela. “Vamos nos levantar de novo, pelas forças de Deus. Sobrou a minha vida e a minha família. Era para estarmos no velório da minha filha de sete anos, mas graças a Deus, deu tempo de tirá-la de dentro de casa”, relembra.

A família está muito abalada e perdeu tudo que estava dentro da casa: móveis, roupas e documentos. O casal também ficou sem a bicicleta que Agnaldo utiliza para fazer bicos de servente e os apetrechos que Lucimara usa para o trabalho de manicure. 

Segundo o casal, o vizinho, dono da casa em que o fogo teve início, desconfia de incêndio criminoso e está nesta manhã registrando um boletim de ocorrência. “Ele sentiu falta de um botijão de gás e a casa dele estava aberta. Então, ele acredita que alguém roubou o botijão e ateou fogo na casa”, diz Agnaldo. 

A família está somente com a roupa do corpo aceita doações de roupas, mantimentos, fraldas, leite em pó entre outros. Como não pretendem sair do local, necessita de materiais para reconstruir o barraco.

Mais informações podem ser obtidas com Agnaldo 9 9268-4330 ou Carmem 9 9239-1676.

A Favela do Linhão está localizada em uma área da Energisa -concessionária de energia de Mato Grosso do Sul, considerada de alto risco, pois está abaixo da linha de transmissão de energia elétrica. Os moradores não tem para onde ir e reclamam que a Prefeitura de Campo Grande não os inclui em programas habitacionais. Neste ano, a Energisa pediu na Justiça a reintegração de posse e os moradores se mobilizaram, em vários protestos para não deixar a área. 

VÍDEO: incêndio em favela destrói barraco em que 4 crianças dormiamDe acordo com Giuliano Souza Rosa, representante dos moradores da Favela do Linhão, no último dia 30 de outubro, houve uma audiência para tratar da situação dos moradores com a Prefeitura e a Energisa.

Segundo ele, o juiz determinou que em até 30 dias após a eleição, a prefeitura fosse ao local, por meio da Emha (Agência Municipal de Habitação), cadastrar todos os moradores em programas da Prefeitura. “O juiz determinou, mas até agora, continua na mesma”, afirma.

Jornal Midiamax