Cotidiano

Semed comunica fim de período integral em Ceinfs e preocupa pais

Alteração envolve alunos do Pré I

Midiamax Publicado em 18/11/2016, às 11h57

None
ceinf_don_antonio_0.jpg

Alteração envolve alunos do Pré I

Bilhete encaminhado pela Semed (Secretaria Municipal de Educação) e distribuído aos pais de crianças matriculadas nos Ceinfs (Centros de Educação Infantil) de Campo Grande passou a ser motivo de preocupação para quem precisa deixar os filhos no local em período integral. O comunicado anuncia que no ano letivo de 2017, alunos do Pré I serão atendidos em período parcial.

Em meio às informações sobre matrículas, o bilhete entregue nesta semana, diz que as crianças do Pré I devem estudar em período matutino ou vespertino. Atualmente o atendimento nos Ceinfs é em tempo integral.

O bilhete especifica que pela manhã os alunos devem estudar das 7 às 11 horas. À tarde o horário é das 13 às 17 horas. Além disso, o comunicado estabelece limite de 20 alunos por turno.

"Eu recebi esse bilhete ontem. Acho isso uma tremenda falta de consideração com os pais que trabalham o dia todo e não têm onde deixar os filhos pequenos. E agora, teremos de pagar alguém? Minha filha vai fazer quatro anos em dezembro e a partir do próximo ano não poderá ficar no Ceinf por período integral", lamenta uma mãe que preferiu não se identificar.

A informação também surpreendeu os profissionais que trabalham nos Ceinfs.  “Estou em um grupo de recreadoras de Ceinfs e estão falando dessa mudança. O bilhete diz que no ano que vem o Pré I será meio período, mas ninguém sabe o motivo disso", diz uma recreadora que pediu para não ser identificada. 

No Senalba-MS (Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional do Estado) as informações também não são precisas.

A presidente Maria Joana Barreto Pereira, garante não ter sido informada. “Não estou sabendo disso. Não teve nenhum comunicado oficial para o sindicato”, afirma. Por outro lado, a diretora sindical, Marilene Souza Fernandes, diz que a medida é antiga e que estava em fase de adaptação.

"Tem uma lei que diz que crianças de quatro e cinco anos têm de ir para escola porque não estão mais na educação infantil. Essa determinação já tem alguns anos, mas estava ocorrendo uma adaptação para que as escolas pudessem ter condições de atender essas crianças. Isso não é de agora, então, os pais que quiserem manter os filhos nessa idade nos Ceinfs terão de se adequarem ao horário que seria nas escolas", explica.

Em nota, a Prefeitura de Campo Grande informou que a Semed (Secretaria Municipal de Educação) está atendendo a Lei Federal 12.796, de 4 de abril de 2013, que é uma emenda da LDB da Lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996 que diz que a educação básica é obrigatória e gratuita dos 4 aos 17 anos.

“Portanto, para garantir o acesso à educação infantil a todas as crianças que estão na faixa etária de quatro anos, o Município irá disponibilizar o atendimento em período parcial. No período integral serão atendidos os alunos na faixa etária de zero a três anos. Dessa forma, o Município irá oportunizar mais vagas a todas as crianças da Capital e cumprindo a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional”, informa a Prefeitura.

 WhatsApp

Jornal Midiamax