Cotidiano

Quase 90% dos focos de Aedes aegypti estão dentro das residências

Descaso de alguns moradores coloca em risco a saúde

Ludyney Moura Publicado em 24/01/2016, às 13h01

None
mutirao_dengue_-_pmcg.jpg

Descaso de alguns moradores coloca em risco a saúde

Mutirões de combate à dengue realizados na Capital neste final de semana e encabeçados pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) comprovaram que quase 90% (86,2%) dos focos de infestação do mosquito Aedes aegypti estão dentro das residências dos campo-grandenses.

“Nosso objetivo não é curar o cidadão, mas evitar que eles adoeçam. O melhor agente de saúde é o cidadão, ele é quem deve, nesse momento de epidemia, cuidar do seu espaço e conscientizar seus vizinhos das ações que impeçam a proliferação do Aedes aegypti”, afirmou o titular da Sesau, Ivandro Fonseca.

Centenas de agentes de combate a endemias, fiscais da vigilância sanitária e até homens do Exército Brasileiro estão envolvidos nas ações de combate à epidemia de Dengue, Chikungunya e Zica. Diversos recipientes comuns nas casas, como caixas d’água descobertas, pneus, vasos foram encontrados com larvas do mosquito.

“Nosso objetivo é um esforço concentrado para evitar que a população adoeça e busque o atendimento médico apenas como medida curativa, ou seja, buscar a cura após a doença. Precisamos conscientizar a população das ações preventivas”, destacou Fonseca.

A Prefeitura da Capital alega que encontrou durante o mutirão muitos cidadãos que aguardam apenas do poder público a responsabilidade pelo combate aos focos de proliferação do mosquito, porém alerta que coleta de lixo na cidade está normalizada e que cada morador é responsável pelo descarte correto do lixo, bem como pelo combate à proliferação do Aedes aegypti.

Jornal Midiamax