Cotidiano

Prefeitura diz que servidora ‘imaginou’ furto de computadores na Funesp

Falha de comunicação teria causado mal-entendido

Wendy Tonhati Publicado em 04/11/2016, às 11h20

None
funesp.jpg

Falha de comunicação teria causado mal-entendido

A Prefeitura de Campo Grande informou, por meio de nota, que não houve furto de computadores na sede da Funesp (Fundação Municipal do Esporte). Segundo o Executivo, “houve falha de comunicação entre os servidores. Não houve furto”, informou. 

O suposto furto de CPUs e pastas de nomeados, que seriam da família do prefeito Alcides Bernal (PP), foi comunicado à Polícia Civil pela chefe do recursos humanos da Funesp. Ela narrou em boletim de ocorrência que, ao chegar para trabalhar na quinta-feira (3), não encontrou os aparelhos e a sala estava aberta. 

Segundo um funcionário da secretaria, que preferiu não se identificar, o sumiço dos objetos envolve uma ‘briga’ entre a chefe do recursos humanos da secretaria e a cunhada de Bernal, Mirtes Elaine Gonçalves Rosa, que é nomeada para trabalhar no Parque Elias Gadia, em Campo Grande. 

A indicação de Mirtes levantou suspeitas e denúncias de nepotismo. Além de Mirtes, o marido e um assessor, que também seriam da família entraram no pacote de nomeações da Prefeitura. Todos com o sobrenome Rosa, os supostos parentes da primeira-dama municipal, Mirian Gonçalves, foram nomeados na Funesp. 

Em outubro de 2015, Alessandro Costa Rosa entrou como chefe do núcleo do centro olímpico de Campo Grande e, em abril deste ano, Leandro Costa Rosa foi nomeado como assessor técnico I na Fundação Municipal de Esportes. Coincidentemente, seriam as pastas dos três, e a da própria chefe do RH, que teriam sido retiradas da sala. 

Conforme a nota da Prefeitura da Capital, os computadores e as pastas foram retirados do RH, no dia 1º de outubro, para analise e vistoria de rotina e seriam colocados de volta na quinta-feira (3), porém o diretor [Luiz Alberto Antunes, o professor Melão] não compareceu a Funesp, pois estava em reunião na sede da Prefeitura. “e a servidora desconhecendo esta ação, imaginou furto das CPUs e terminou por registrar o boletim de ocorrência”. 

O Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), da última quinta, publicado após o boletim de ocorrência ser registrado, trouxe a revogação da nomeação da servidora para desempenhar a função de chefe de RH da Funesp e a exoneração dela. 

Leia a nota na íntegra:

Com relação ao boletim de ocorrência realizado nesta manhã, O Diretor Presidente da Funesp, Luiz Alberto Antunes, informa que houve falha de comunicação entre os servidores. Não houve furto. 

Os computadores e as pastas foram retirados do RH, no dia 1º de outubro, para analise e vistoria de rotina  e seriam colocados de volta nesta manhã de quinta-feira (3), porém o Diretor não compareceu a Funesp pois estava em reunião na sede da Prefeitura, e a servidora desconhecendo esta ação, imaginou furto das CPUs e terminou por registrar o Boletim de ocorrência.

Tomando ciência da situação o Diretor da Funesp compareceu hoje a tarde a Delegacia de Policia Civil de Campo Grande explicando os fatos. As máquinas serão recolocados no local de origem ainda nesta tarde de  quinta-feira (03) quando o trabalho da equipe de RH volta ao normal.

Jornal Midiamax