Cotidiano

Médicos não recebem pagamento do plantão e reduzem atendimento no Regional

Deficit em leitos de UTI é antigo

Wendy Tonhati Publicado em 20/10/2016, às 13h45

None
hospital_regional_arquivo.jpg

Deficit em leitos de UTI é antigo

Os médicos dos Hospital Regional de Mato Grosso do Sul reduziram as escalas de plantão durante o feriadão da semana passada. Eles não teriam recebido o pagamento dos plantões e reduziram a quantidade de profissionais em atuação no hospital. A situação gerou inclusive a denúncia de desativação de dez leitos da unidade de CTI (Centro de Terapia Insensiva) do Hospital Regional. 

A SES (Secretaria Estadual de Saúde) confirmou o problema com relação ao pagamento dos médicos e informou que embora tenha sido reduzido o número de médicos, não houve fechamento de leitos. 

Na segunda-feira (17) uma reunião foi feita entre os profissionais e a direção do hospital e ficou acertado que eles voltariam ao trabalho normal e que seria feito um cronograma de pagamento dos médicos.

Uma nova reunião deve ser realizada nesta quinta-feira (20) no hospital. Novas informações sobre a situação serão divulgadas durante a tarde. 

Deficit

O déficit de leitos de UTI é antigo em Campo Grande e é objeto de ações da promotoria de saúde do MPE MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul). Segundos os registros, o Estado é o 21º do país na lista da unidade federativas com menor número macas de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).Médicos não recebem pagamento do plantão e reduzem atendimento no Regional

Em 2015, atendendo ação civil pública do MPE, o Governo do Estado implantará dez leitos de UTI adulto no Hospital Regional, em Campo Grande. A intenção do MPE era amenizar a crise na saúde na Capital e a falta de leitos de UTI nos hospitais do município.

Jornal Midiamax