Cotidiano

Lixo transborda em aterro e resídios chegam próximos de rodovias estaduais em Paranaíba

População diz que manutenção em "lixão" foi suspensa

Midiamax Publicado em 17/11/2016, às 13h22

None
aterro_sanitario_paranaiba_-_foto_whatsapp_midiamax_4.jpg

População diz que manutenção em "lixão" foi suspensa

Sem manutenção no aterro sanitário que recebe toda a coleta de lixo de Paranaíba, cidade a 407 quilômetros de Campo Grande, localizada na região do Bolsão, os resíduos se acumulam diariamente, transbordam o espaço destinado para descarte e se aproximam de duas rodovias estaduais, a MS-483 que liga Mato Grosso do Sul a Goiás e a MS-497 que permite acesso a Minas Gerais.

A situação foi denunciada por moradores da região. Segundo relatos feitos à equipe de reportagem do Jornal Midiamax, o problema teria começado por conta da interrupção do serviço de manutenção no aterro sanitário, necessário para que o local pudesse comportar as coletas. 

"Não estão fazendo manutenção no aterro há pelo menos um mês e a empresa continua jogando o lixo que fica cada vez mais perto das rodovias. O cheiro está muito forte. Sem contar que está cheio de moscas e até ratos. Isso é um perigo enorme. A empresa que faz a coleta foi autuada e não fizeram nada para resolver", destaca um funcionário público e morador do município, que preferiu não se identificar. 

Semy Ferraz, engenheiro civil e ex-chefe da Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) da Capital, mora no município. Ele diz que passou pelo local nessa quarta-feira (16) e registrou imagens do aterro. Nas fotos é possível ver que o lixo se aproxima da MS-483. "Pelo jeito encheram o lixão e estão jogando tudo nas margens da rodovia. Isso é perigo, se chega na estrada aumenta o risco de acidente", observa. 

A Polícia Militar Ambiental de Aparecida do Taboado, que também atua em Paranaíba, confirma a existência do problema relatado por moradores, assim como a autuação mencionada e destaca que o caso está sob análise da 1ª Promotoria de Justiça do município. 

A equipe de reportagem do Jornal Midiamax tentou falar com a promotora Juliana Nonato, responsável pela 1ª Promotoria de Justiça de Paranaíba e foi informada por meio da assessoria de comunicação do MP-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) que a promotora deve se posicionar sobre o caso ainda na tarde desta quinta-feira (17).

Já a administração da Congeo – Construção e Comércio Ltda-EPP, responsável pela coleta manual e mecanizada dos resíduos sólidos domiciliares, afirma que faz apenas o recolhimento e descarte do lixo e que o local onde os detritos são depositados é de responsabilidade da Prefeitura.Lixo transborda em aterro e resídios chegam próximos de rodovias estaduais em Paranaíba

Também houve tentativas de contato com o prefeito Diogo Robalinho de Queiroz (PPS), mas o telefone informado no site da Prefeitura de Paranaíba está com defeito e o celular do gestor administrativo estava desligado na manhã de hoje. 

Contrato 

No dia 27 de junho de 2016, foi publicado no Diário Oficial de Paranaíba a prorrogação do contrato celebrado entre a Prefeitura e empresa. Conforme a publicação, o contrato foi estendido até 7 de dezembro de 2016, totalizando 31 meses de prestações de serviços. 

O valor pago pelo termo aditivo foi de R$ 1.509.830,00 e equivale a mais sete meses de trabalho. A quantia foi dividida em parcelas mensais de R$ 215.690,00, o que altera o contrato inicial de R$ 5.176.560,00 para R$ 6.686.390,00.

Lixo transborda em aterro e resídios chegam próximos de rodovias estaduais em Paranaíba

Jornal Midiamax