Cotidiano

Justiça mantém condenação de pistoleiro acusado de 20 mortes

MP o classificou como "matador de aluguel"

Midiamax Publicado em 07/04/2016, às 17h22

None
fca07012a5be0a564927fd73a17e1f144f3d85dd007e6_300x0.jpg

MP o classificou como "matador de aluguel"

O paraguaio Jacinto Ramirez Cristaldo Ramirez, de 33 anos, condenado a 14 anos de prisão por mais de 20 assassinatos, sequestro e assaltos na fronteira do Brasil, teve recurso negado por todos os desembargadores da 2ª Câmara Criminal.

Um dos crimes ocorreu em 2010, quando na companhia de um comparsa, Jacinto matou Paulo Sérgio Alarcon e Edson Patrício Nunez Sonorda, com tiros de pistola 9mm. Vítimas estavam dentro de um veículo Corolla, na linha internacional que divide Coronel Sapucaia e Capitán Bado (PY). 

Jacinto pediu redução de pena, pois alega que a decisão dos jurados é manifestamente contrária à prova dos autos.

Classificado pelo Ministério Público Estadual (MPE) como “matador de aluguel” e de alta periculosidade, Ramirez foi preso em fevereiro de 2012, em uma residência situada na região da Vila Nova, em Coronel Sapucaia, durante uma megaoperação envolvendo a Polícia Militar, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) do Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul e a ACI/MS (Agência Central de Inteligência de Mato Grosso do Sul).

Após permanecer preso por determinado tempo no Estabelecimento Penal de Amambai (Epam) Jacinto Ramon foi encaminhado para o PHAC (Presídio Harry Amorim Costa), em Dourados, para onde retornou, após ser trazido para o julgamento, em Amambai.

(Com supervisão de Marta Ferreira) 

Jornal Midiamax