Cotidiano

Governo lança ‘Agosto Lilás’ para lembrar os 10 anos da Lei Maria da Penha

Campanha terá CD para deficiente visual e DVD para auditiva

Midiamax Publicado em 01/08/2016, às 15h24

None
Foto: Mariana Anjos/Midiamax

Campanha terá CD para deficiente visual e DVD para auditiva

Na manhã desta segunda-feira (1º), o governador Reinaldo Azambuja fez o lançamento da campanha “Agosto Lilás”, que por objetivo de celebrar os 10 anos da Lei Maria da Penha e assim conscientizar a todos da não violência contra as mulheres. O programa será realizado em todo o mês de agosto com diversas ações de combate a violência, como um CD da lei para mulheres cegas e um DVD para surdas.

O objetivo geral é realizar ações educativas e promover o conhecimento de mulheres e meninas sobre seus direitos, além de realizar a sensibilização masculina com relação ao tema violência doméstica.

Para o governador Reinaldo Azambuja a luta contra a violência feminina e a conscientização são temas que tem que avançar no Estado. “Basta lermos o jornal para vermos que ainda temos muitas mulheres sofrendo com a violência. É função da campanha conscientizar e é isso preciso ir além de uma iniciativa do Governo, mas da união da sociedade. Temos que fortalecer essa conscientização coletiva”.

“As ações educativas também irão abranger de forma inédita mulheres com deficiência visual, auditiva e mulheres das etnias guarani e terena, as quais receberão cd’s em áudio com narração em braile, DVD’s de libras para mulheres surdas e cartilhas traduzidas nas línguas indígenas”, disse a Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres. Subsecretária: Luciana Azambuja.

Ainda de acordo com Luciana Azambuja, o carro chefe da campanha será o ‘Maria vai à escola’ e já temos fechadas 30 turmas, 20 escolas . “Pretendemos atingir mil alunos e esta é a nossa principal ação, que é atingir desde as primeiras series e na educação em geral. Com relação aos dados, será feita uma coletiva de imprensa no dia 08 de agosto junto com a Sejusp e a Polícia Civil para divulgar esses dados que serão levantados e detalhados”.

“O que posso dizer é que estamos em torno de 4,200 boletins de ocorrência aproximadamente em Campo Grande. No Estado nós temos uma média de 1,500 registros por mês no estado inteiro. Nós acompanhamos este ano de 2016, todos os casos de 2016 tentados e consumados em decorrência da violência doméstica, de 16 a 17 consumados e 24 tentados e podemos afirmar que temos uma identificação da autoria de praticamente 100%”, explicou a subsecretaria.

A presidente da Associação de Mulheres com Deficiência de Campo Grande, Mirella Ballatore, comemorou a iniciativa e recebeu como um presente de aniversário que faz este mês. “Garantir as mulheres cegas e às surdas o direito de se defender da violência não tem preço e eu só tenho a agradecer por esta iniciativa. As mulheres que possuem todas os tipos de deficiência terão a oportunidade de participar dessas ações”.

Jornal Midiamax