Cotidiano

Fazendas são ocupadas por indígenas e PF investiga uso de armas de fogo

Um cacique teria sido ferido

Renata Portela Publicado em 14/03/2016, às 15h25

None
pm_-_dourados_news.jpg

Um cacique teria sido ferido

Equipe da Polícia Federal esteve em áreas ocupadas por indígenas na região de Dourados e Itaporã, a 225 quilômetros de Campo Grande, no domingo (13). Alguns índios foram intimados para depor e fazendeiros também devem ser ouvidos. Há denúncia de que tenha sido feito uso de arma de fogo nos conflitos por terra.Fazendas são ocupadas por indígenas e PF investiga uso de armas de fogo

Segundo informações do site Dourados News, o clima nas propriedades rurais que foram ocupadas é de tensão e 7 áreas já foram rodeadas pelos indígenas. Há informação de que eles teriam usado de violência contra os produtores rurais. "Os indígenas estão violentos, ameaçam os produtores, invadem residências colocando os produtores para fora de casa, situação que é mais tensa na área do norte, porém há relatos de uso de arma de fogo na propriedade próxima a MS-156 o que é investigado pela PF", explica o comandante da Polícia Militar, tenente-coronel Carlos Silva.

De acordo com a PM, equipe da Polícia Federal visitou os pontos e 5 indígenas foram levados para serem ouvidos. Proprietários rurais também devem prestar depoimentos sobre os conflitos. Segundo o comandante Silva, os policiais teriam sido ameaçados diretamente pelos indígenas. "Na sexta-feira fomos nos pontos e eles vieram para nosso lado armados e só não houve confronto porque nos posicionamos em defesa e eles desistiram", conta.

Em relação ao uso de armas de fogo, há relatos dos dois lados dessa questão, o que inclusive teria resultado em um indígena ferido a tiro no sábado (12), mas o caso é analisado pela PF. e Perícia. Em relação ao "estouro" de conflitos por terras, o comandante afirmou que o que teria motivado a situação ainda é desconhecido. Ele cita a preocupação da situação tomar maior proporção já que seguem para apoiar os atos.

Polícia Militar e Polícia Federal seguem na região de ocupação.

Jornal Midiamax