Cotidiano

Com reunião aos gritos, prefeitura e professores não entram em acordo

Reajustes equivalentes a 2015 e 2016

Diego Alves Publicado em 29/02/2016, às 22h33

None
_mg_0762_interna.jpg

Reajustes equivalentes a 2015 e 2016

Professores e o prefeito Alcides Bernal (PP) não entraram em acordo sobre o aumento salarial da categoria. A discussão foi com portas fechadas e inclusive gritos foram escutados do lado de fora do plenarinho da prefeitura de Campo Grande, onde ocorria a reunião.

De acordo com Lucílio Souza Nobre, presidente da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação), nada ficou definido durante a conversa com Bernal. Os professores se reúnem às 18 horas desta terça-feira (1) e irão discutir sobre este impasse com a prefeitura. Representantes da ACP não comentaram sobre um possível indicativo de greve.

Os professores querem reajustes equivalentes a 2015 e 2016. A categoria decidiu em assembleia no dia 4 deste mês, que aceita dividir o percentual de 13,01%, relativo a 2015 em duas vezes, desde que a primeira parcela, de 6,505% seja repassada em maio, junto com o reajuste anual de 2016, de 11,36%, ou seja, 17,8% em uma única vez.

Na mídia

A categoria decidiu colocar um anúncio da reunião na tevê, onde é dito claramente que o prefeito tem de cumprir a Lei 5411/14, fazendo menção a reunião de hoje. O comercial também faz um chamado a todos os profissionais, para participar de assembleia geral nesta terça-feira (1º), às 18 horas, na sede da ACP.

Jornal Midiamax