Cotidiano

Boxer ataca criança de 9 anos e dona fala em sacrificar animal

Samu demorou e menino foi socorrido por vizinho

Guilherme Cavalcante Publicado em 14/03/2016, às 20h07

None
img-20160314-wa0159.jpg

Samu demorou e menino foi socorrido por vizinho

Um menino de nove anos foi atacado por uma cadela da raça boxer na tarde desta segunda-feira (14), no bairro Nova Campo Grande. Ele foi levado por vizinhos para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Vila Almeida, onde recebe os primeiros cuidados.

O clima na região é de revolta. Moradores afirmam estar indignados, uma vez que a rua é bastante frequentada por crianças. Entretanto, reconhecem que é a primeira vez que o cão em questão ataca alguém.

A dona de casa Priscila Esteves, 23 anos, afirmou à reportagem que estava em casa quando o fato aconteceu. "Comecei a ouvir os gritos e sai de casa. Vi que já tinha muita gente na rua e quando olhei na esquina, vi o menino caído e sendo mordido pelo cachorro". Segundo ela, os vizinhos precisaram atingir dar pauladas na boxer para ela largar o menino, que levou mordidas nas pernas e nádegas, sangrando bastante.

A proprietária do animal, que não quis ser identificada, afirma que a cadela de raça boxer tem aproximadamente um ano e meio e que algo do tipo jamais aconteceu. "Foi um acidente. Nunca tivemos problemas com ela. O que aconteceu é que o técnico do ar condicionado veio fazer reparos e quando fui abrir o portão ela escapou. Foi um acidente", disse. Na sequência, ela afirmou que a cadela será encaminhada para sacrifício já na terça-feira (15) e que o esposo dela encontra-se na UPA Vila Almeida, prestando assistência ao garoto.

Demora no atendimento

Além de assustados pelo perigo que o cão passou a representar, moradores do bairro Nova Campo Grande também protestam pela demora da ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Emergência) e relatam indiferença da guarnição policial que atendeu o chamado. Segundo testemunhas, que preferiram não se identificar, a polícia não quis encaminhar a ocorrência para investigação. Além disso, eles também afirmam ter ligado mais de dez vezes para o Samu e que por conta da demora, um vizinho levou a criança à UPA Vila Almeida no próprio veículo.

Jornal Midiamax