Cotidiano

União é liberada de promover demarcação de terras indígenas em MS

Providência foi solicitada em ação de usucapião promovida entre particulares

Midiamax Publicado em 08/04/2015, às 15h26

None
indigenas.jpg

Providência foi solicitada em ação de usucapião promovida entre particulares

O TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) deu provimento a recurso de agravo de instrumento para liberar a União de promover demarcação de terras em ação de usucapião em Ponta Porã, a 324 quilômetros de Campo Grande.

A ação foi proposta por um particular em face de outros e a decisão de primeiro grau determinou à União que realizasse a demarcação das terras indígenas envolvidas na área de usucapião no prazo de um ano, sob pena de multa de R$ 50 mil por mês de atraso.

A União recorreu alegando que a demarcação não foi requerida por nenhuma das partes, sendo a decisão extra petita (fora do que foi pedido). Além disso, a responsabilidade pela demarcação de terras supostamente indígenas é da Fundação Nacional do Índio (Funai). Pediu o deferimento do recurso para que seja desonerada da obrigação de demarcar as terras.

O tribunal, ao analisar o caso, assinala que a demarcação de terras tem caráter técnico-administrativo e não contencioso e é em geral realizada por empresas de topografia relacionadas pela Funai e não pela União. Observa que a Portaria 116 de 14/2/12 do presidente da Funai é enfática ao dizer que “é papel institucional da Fundação identificar e demarcar terras indígenas”, inclusive com a presença de representantes das comunidades envolvidas.

Acresce que o artigo 1º do Decreto 1775/96, dispõe que “as terras indígenas, de que tratam o artigo 231 da Constituição, serão administrativamente demarcadas por iniciativa e sob a orientação do órgão federal de assistência ao índio, de acordo com o disposto neste Decreto”.

Também foge das atribuições do magistrado ingressar em funções típicas do Poder Executivo, tal como é o processo de demarcação de terras indígenas.

Por fim, o próprio andamento processual da ação originária revela que já está em curso o procedimento de demarcação das terras. De modo que, o tribunal deferiu a providência solicitada no recurso.

(Com informações do Tribunal Regional Federal da 3ª Região)

Jornal Midiamax