Cotidiano

Terrenos com casas demolidas por Prefeitura são transformados em depósito de lixo

Residências foram demolidas há quase três meses, para que fosse construída área de lazer

Midiamax Publicado em 13/04/2015, às 15h55

None
img-20150413-wa0029_pequena.jpg

Residências foram demolidas há quase três meses, para que fosse construída área de lazer

Conforme moradores do Núcleo Habitacional Universitárias, na região sul de Campo Grande, depois de que algumas residências foram demolidas pela Prefeitura, na Avenida Marginal Bálsamo, a área ficou abandonada e se tornou depósito de entulhos, lixo e até mesmo criadouro do mosquito Aedes aegypt, transmissor do vírus da dengue.

Segundo a auxiliar administrativa, Adriana Rocha, de 33 anos, que mora há 29 na região, as casas foram demolidas há quase três meses. Ela afirma que desde então os lixos têm sido depositados no local que deve ser transformado em uma área de lazer.

“A prefeitura desativou alguns lotes e pediu para que os moradores saíssem para que fosse construída uma área de lazer, mas o local está abandonado, se transformou em depósito de lixo. Tem restos de construção, lixo, muito mato e criadouro da dengue”, relata.

A moradora destaca que além dos entulhos, o local também não tem iluminação pública suficiente, o que deixa o local mais vulnerável a ação de bandidos. “É perigoso e principalmente à noite. A quantidade de assaltos tem aumentado na região. Faço faculdade, chego em casa tarde e está tudo muito escuro”, ressalta.

De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura, conforme as informações repassadas pela moradora, a área compreende o Complexo Bálsamo, que teve as obras paralisadas devido “ao atraso no repasse de recursos pelo governo Federal PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) II”.

Sobre o lixo e a possibilidade de procriação de mosquito da dengue no terreno, a assessoria de comunicação orienta que os moradores devem registrar reclamação por meio dos telefones: (67) 334-5000/ 3314-5001.

WhatsApp: fale com os jornalistas do Jornal Midiamax

O leitor enviou as informações ao WhatsApp da redação, no número (67) 9207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem diretamente com os jornalistas do Jornal Midiamax. Flagrantes inusitados, denúncias, reclamações e sugestões podem ser enviados com total anonimato garantido pela lei

Jornal Midiamax