Cotidiano

Resgatada há dois anos, cadelinha deficiente ainda espera por adoção

A ONG tem vários animais para a adoção

Kemila Pellin Publicado em 28/06/2015, às 16h02

None
_mg_2227_copy.jpg

A ONG tem vários animais para a adoção

Malu foi resgatada da rua, magra e maltratada, sem o olho direito e com exame positivo para leishmaniose. Hoje, dois anos depois de ser resgatada por uma parceira da ONG Abrigo dos Bichos, ela está forte e pronta para receber um lar definitivo, porém, mesmo participando de várias feiras de adoção, Malu ainda não conseguiu alguém disposto a deixar de lado o preconceito, tanto pela sua aparência quanto pelo diagnóstico positivo para zoonose, que hoje tem tratamento e já foi proibida a eutanásia por causa da doença.

Neste domingo (28), Malu, assim como outros três cães adultos, três gatos filhotes e um adulto, participaram da feira de adoção, durante esta manhã, nos altos da Avenida Afonso Pena. Dos cachorros, apenas Bartô foi adotado, já os gatos, conseguiram lar.

Carla Ferraz, explica que quem escolheu Bartô foram os filhos, de 6 e 8 anos. “Faz tempo que a gente queria adotar um animal dócil e carinhoso e as crianças se apaixonaram por ele” comenta a mãe que ainda acrescenta não se importar pelo fato de o animal ser adulto ou ter leishmaniose.

Nola e Tufão, também são positivos para a zoonose e ainda não tiveram a mesma sorte do Bartô. Juliana Rodi, parceira do Abrigo, resgatou Nola na Avenida Júlio de Castilho e há seis meses a cadelinha espera por um lar. “Ainda é muito difícil a adoção para animais adultos. As pessoas preferem os filhotes e sem nenhuma zoonose, mas estou torcendo para ela conseguir um lar definitivo logo”, explica.

Quem quiser adotar algum dos animais citados na matéria, ou conhecer os demais bichinhos que a ONG cuida, é só entrar em contato pelos telefones: 8406-2288 ou 9955-4949, ou ainda pelo facebookhttps://www.facebook.com/AbrigoDosBichos?fref=ts

Primeiro resgate:

O primeiro animal resgatado oficialmente pela ONG, a cadelinha Laika, foi um exemplo de que um animal bem cuidado, independentemente de ter sido maltratado antes, pode viver por muito tempo. A cadelinha, resgatada pela presidente da ONG, Mara Lúcia, viveu por mais de 12 anos após o resgate. “Eu peguei ela em 2002, joga no frio e na chuva. Até tentei doá-la no início, mas depois me apaixonei e não tive mais coragem. Ela viveu comigo por 12 anos e morreu de velhinha. Então ela é a prova de que a única coisa que um animal precisa é de amor”.

Arraiau:

No dia 18 de julho o Abrigo dos Bichos vai realizar o Arraiau-auau, no Sindicato Rural. Na Rua Raul Pires Barbosa, 116. A festa começa às 18 horas e a entrada será R$ 3,00. A verba arrecada será usada com os animais resgatados.

Jornal Midiamax