Cotidiano

Professores da UFMS podem paralisar serviços na próxima segunda-feira

Nesta manhã professores e administrativos decidem se entrarão em greve

Midiamax Publicado em 10/06/2015, às 13h37

None
img-20150526-wa0052_pequena.jpg

Nesta manhã professores e administrativos decidem se entrarão em greve

Professores e administrativos das Universidades Federais de Mato Grosso do Sul, podem paralisar os serviços a partir da próxima segunda-feira (15). Na manhã desta quarta-feira (10), a categoria participa de uma assembleia realizada pela ADUFMS (Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) para decidir se entrará em greve.

Ao todo 1.320 professores e três mil administrativos reivindicam reajuste e reestruturação da carreira com progressão funcional entre um nível profissional e outro.

Em entrevista concedida em maio, ao Jornal Midiamax, o diretor financeiro da ADUFMS, Marco Aurélio disse que o salário de professores, graduados inicialmente para 20 horas aulas, é de R$ 2.080,00, mestres R$ 4 mil e doutores R$ 8.600.

Em abril deste ano, os professores decidiram por defender as reivindicações do Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior) entregues ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e MEC (Ministério da Educação).

A proposta prevê mudança na data base do salário mínimo calculado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), que em fevereiro deste ano foi R$ 3,1 mil para 20 horas aulas, para professor em início de carreira. O objetivo é que os docentes passem a receber a partir de 2016, R$ 6,2 mil para 40 horas aula. Ainda conforme a proposta, os mestres iniciarão a carreira com salário de R$ 9,6 mil e doutores R$ 16,2 mil. 

Se a paralisação for aceita, 16 mil alunos ficarão sem aula Estado, entre eles, oito mil em Campo Grande. Além da Capital, Mato Grosso do Sul conta com universidades federais em Aquidauana, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas.

Até o momento, a possibilidade de greve ainda está sendo discutida no auditório da UFMS e de acordo com a assessoria de comunicação da ADUFMS até o fim desta manhã, a votação que conta com a participação de 100 filiados, além de representantes do núcleo estudantil e técnicos administrativos, estará encerrada.

Jornal Midiamax