Central de regulação que faz distribuição dos pacientes

Diretor-presidente da ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande), Wilson Teslenco, rebateu na manhã desta quarta-feira (27) as declarações do coordenador do Samu (Serviço Móvel de Urgência), Eduardo Cury, de que a Santa Casa estaria escondendo leitos e negando atendimentos por falta de vagas.

“A declaração dele (Eduardo Cury) foi política, mediática e eleitoreira. Ele se aproveitou da oportunidade”, falou Wilson que ainda ressaltou que a central de regulação é quem decide o envio de pacientes ou não para o hospital. “De hora em hora é enviado relatório com informações a central sobre leitos disponíveis”, afirma Wilson Teslenco.

Sobre o atendimento dispensado à família Huck, o diretor afirmou que a família veio por livre demanda, e não pela central de regulação e que a direção do hospital não tinha conhecimento de que estavam sendo levados para atendimento. “Entraram pelo SUS e saíram pelo SUS. Passaram por todo procedimento que um paciente com suspeita de politraumatismo passa”, disse Teslenco.

“Qualquer pessoa rica ou pobre com suspeita de politraumatismo atendemos, não aceitamos ou negamos pacientes”, afirma a coordenadora do Núcleo Interno de Regulação de Leitos da Santa Casa, Patrícia Alexandrino Oliveira.

De acordo com informações da Santa Casa, o hospital tem 97 leitos e no domingo (24)  até as 17 horas foram atendidos 100 pacientes e até o fim da noite 157 pessoas passaram por atendimento no hospital.