Cotidiano

Mais de dois anos após morte em escola, caso Luana começa a ser julgado

Primeira audiência começou na tarde desta terça-feira no Tribunal do Júri

Midiamax Publicado em 13/10/2015, às 18h45

None
luana.png

Primeira audiência começou na tarde desta terça-feira no Tribunal do Júri

Mais de dois anos após morte em escola, teve início na tarde desta terça-feira (13) na 2ª Vara do Tribunal do Júri, em Campo Grande, a primeira audiência do julgamento do caso Luana.

Em 11 de setembro de 2013, Luana Vieira Gregório, de 15 anos, foi morta à facada em frente da Escola Estadual José Ferreira Barbosa, na Vila Bordon, na Capital. A morte da jovem, assassinada durante briga, causou grande repercussão e foi veiculada em todo o país.

A faca era de maior identificada Dafni e uma menor, de 16 anos, cometeu o crime. A polícia indiciou Dafni como coautora, pois, mesmo sabendo que haveria uma briga, não tomou atitude que pudesse evitar. Ao contrário, levou a faca com a qual a menor atingiu Luana.

Já a menor foi indiciada como autora. No entanto, como ambas não foram presas em flagrante, esperaram pelo pronunciamento da Justiça em liberdade.Mais de dois anos após morte em escola, caso Luana começa a ser julgado

De lá para cá, a família de Luana cobrou diversas vezes justiça pelo crime. “Passaram dois anos e não aconteceu nada, as assassinas continuam soltas. Alguém tem que tomar alguma providência”, destaca Jane Cristina Gregório, tia de Luana.

Na primeira audiência, serão ouvidas a menor de 16 anos, que cometeu o crime, Dafne, e suas testemunhas.

Jornal Midiamax