Cotidiano

Maçons vão à rua contra corrupção e outro grupo pede ‘intervenção militar’

Maçons participaram paramentados

Midiamax Publicado em 12/04/2015, às 21h35

None
img-20150412-wa0067.jpg

Maçons participaram paramentados

Durante manifestação deste domingo (12), nas ruas de Campo Grande, cerca de 200 maçons foram às ruas da Capital engrossar o protesto contra a corrupção no País. “Queremos o PT e a Dilma fora do governo, queremos o que o povo quer”, disse o maçom Luis Carlos Franco, de 55 anos. 

O grupo participa das manifestações desde o primeiro ato, ocorrido no dia 15 de março. No entanto, caso venha a ter uma terceira mobilização, Luis promete que novamente os maçons vão participar. O motivo, segundo Luis, é o fato de antes a maçonaria não ter se envolvido em manifestações desta natureza.

“Agora fazemos questão de participar. Somos a favor da democracia, mas uma democracia justa”, disse Luis.

No mesmo protesto seguia quase isolada um pequeno protesto pedindo pela intervenção militar. Ilza Maria Romão, 52, acredita que somente com a volta dos militares o Brasil possa ‘entrar nos eixos’. Ela e a irmão seguravam uma faixa para reforçarem o pedido.

“Não vejo outra saída para o País ir para a frente. Todos os partidos são corruptos, não tem nenhum político santo”, contou.

A estimativa da organização era de que 100 mil pessoas fossem às ruas de Campo Grande para protestarem contra o governo da presidente do Brasil Dilma Rousseff (PT).  

No começo do protesto a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) informou que 2 mil pessoas participavam do ato. Porém, com o início da passeata, o protesto pode ter reunido em torno de 5 mil pessoas na Avenida Afonso Pena. 

Jornal Midiamax