Funcionários da Proteco no Aquário continuam abandonados e sem salários

Empresa ainda não pagou trabalhadores
| 28/07/2015
- 16:49
Funcionários da Proteco no Aquário continuam abandonados e sem salários

Empresa ainda não pagou trabalhadores

Sem salário e com benefícios cortados, os 33 trabalhadores que trocaram a vida difícil do Nordeste pela proposta de trabalho que prometia oferecer condições de uma vida melhor, se dizem arrependidos de terem deixado a terra natal. Os trabalhadores foram contratados pela empresa Proteco Construções Ltda., para trabalhar na obra do Aquário do Pantanal, no entanto, a construtora que foi afastada dos trabalhos, pelo governo do Estado, dispensou os profissionais e ainda não pagou a rescisão contratual.

Os trabalhadores afirmam ainda que não receberam o salário referente a junho deste ano e, além disso, tiveram o vale-alimentação no valor de R$ 240,00 cortados pela empresa, como explica o pedreiro Cloves Alves da Silva, de 43 anos. Ele morava no Ceará, estava desempregado e viu na proposta de emprego, a possibilidade de garantir o sustento da família.

“Achei que o emprego seria vantajoso, mas agora me arrependo de ter vindo. Minha mulher foi ao mercado fez toda a compra e quando passou no caixa não tinha nada. Teve de devolver tudo. Vim para cá para juntar um dinheiro para mandar para minha família e vou voltar sem nada”, relata.

O pedreiro Hugo Deleon, de 27 anos, trocou o trabalho no Nordeste pelo emprego na Proteco, mas também se diz arrependido. “Lá eu não trabalhava com carteira assinada e achei que aqui seria melhor, mas me arrependi de ter vindo. A empresa fala que até o dia 5 de agosto fará o pagamento, mas desconfiamos que isso não vai acontecer. Estou esperando receber dinheiro para mandar para a minha família”, destaca.

Segundo os relatos, os funcionários trabalhavam 10 horas por dia, de segunda a sexta-feira, sendo uma hora a mais para compensar o sábado não trabalhado e uma hora extra. A média de salário oferecido era de R$ 1.407,00, alojamento e o vale-alimentação, que a maioria enviava para a família no Nordeste, no entanto, os trabalhadores se dizem decepcionados com a realidade vivenciada ao chegar a Campo Grande.

“Quando chega a uma situação dessa, não tem quem não se arrependa. Mandaram a gente parar de trabalhar e disseram para esperarmos de 10 a 15 dias para recebermos, mas desconfiamos que isso não vai acontecer”, lamenta o encanador Genilton Cruz, de 28 anos.

Os trabalhadores foram dispensados na última quinta-feira (23) e permanecem no alojamento oferecido pela empresa, na Rua São Miguel, na Vila Progresso. De acordo com os funcionários, até o momento não houve nenhum acordo a respeito do pagamento.

A  equipe de reportagem do Jornal Midiamax tentou falar por telefone com alguém da Proteco, no entanto, as ligações não foram atendidas. 

Veja também

Tempestade de areia também causou alagamento, queda de árvore e construção

Últimas notícias