Cotidiano

Contra protesto de prefeitos, população diz que ‘políticos precisam trabalhar’

Gestores municipais declararam ponto facultativo

Midiamax Publicado em 10/08/2015, às 11h40

None
fala_povo.jpg

Gestores municipais declararam ponto facultativo

A população critica o fechamento das prefeituras nesta segunda-feira (10) em protesto contra a crise financeira que os prefeitos alegam dificultar a vida dos municípios. Nas ruas de Campo Grande, o Jornal Midiamax, conversou com algumas pessoas e as opiniões são de questionamento sobre parar os serviços e atendimento 

Segundo a Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), 90% das prefeituras de MS aderiram e o objetivo é discutir soluções para a crise econômica que tem feito o governo federal reduzir os repasses feitos às prefeituras.

A costureira Ana Márcia Pereira Martins, de 40 anos, destaca que a decisão deveria ser tomada com a população. “Esta é uma péssima ideia. Deveriam ao menos consultar o povo para saber se concordamos com isso porque é para nós que eles trabalham”, observa.

O aposentado Paulo César Ferreira, de 68 anos, não concorda com a decisão de suspender as agendas para discutir sobre a situação nacional. “O nosso prefeito já cruzou os braços faz muito tempo. A situação de Campo Grande está terrível. Isso não é protesto. O prefeito tem o compromisso de fazer a cidade andar. Ele deve correr atrás de verbas”, afirma.

A dona de casa Lúcia Oliveira Nunes, de 40 anos, afirma que o protesto é inútil. “Não vai adiantar nada. Isso é perda de tempo deles e do povo que perde porque os prefeitos já não trabalham e desse jeito é que não vão trabalhar mesmo”, ressalta.

Mário Luiz, de 38 anos, que trabalha de garçom, também discorda do ponto facultativo. “Em plena segunda-feira fazer isso é começara a semana bagunçada. Eu acho isso um absurdo. Os prefeitos deveriam arregaçar as mangas e trabalhar”, declara.

A faxineira Alcione Vieira, de 56 anos, diz que está ‘desanimada’ com as atitudes tomadas pelos políticos. “Já estou saturada com esses políticos. Isso que estão fazendo não é certo. Tinham mais é que trabalhar”, frisa.

O pedreiro Carmelindo Nunes, de 64 anos, considera que a crise econômica é preocupante, porém não concorda com a manifestação. “Estamos atravessando um momento muito ruim, mas os prefeitos não devem cruzar os braços, declara ponto facultativo, pelo contrário, devem ir em frente e trabalhar”, afirma.

Prefeitos dos 79 municípios do Estado se encontraram no estacionamento da Assomasul. Os chefes dos Executivos de todo o Estado alegam principalmente que a União tem enviado recurso abaixo do necessário para executar os projetos e programas planejados.

Jornal Midiamax