Cotidiano

Casa da família suspeita de matar homem na Cidade de Deus é incendiada

Por segurança, dona da residência não estava no local

Midiamax Publicado em 12/06/2015, às 11h34

None
img-20150612-wa0012.jpg

Por segurança, dona da residência não estava no local

A casa da família suspeita de matar um homem, na Favela Cidade de Deus, foi incendiada na madrugada desta sexta-feira (12). A residência pertence a Sueli Maria Rodrigues, de 56 anos, que é mãe e avó das suspeitas de participarem do linchamento de Agnaldo João Schellemerg, de 47 anos.

Segundo Sueli, ela estava na casa de parentes, pois já havia recebido ameaças, após a morte na favela. Por volta das 2 horas, o Corpo de Bombeiros foi acionado para ir até o local. O fogo tomou conta e toda a casa e os pertences foram destruídos. A moradora diz estar desesperada

A residência está localizada nas proximidades da casa da vítima, e casa da mãe e filha suspeitas de participarem do linchamento. No local, ninguém sabe quem colocou fogo na casa. Sueli morava com seis netos, com idades entre 2 e 16 anos e um bisneto, de 4 anos.

Sueli também reafirmou que Agnaldo fazia ameaças à família dela e jogava pedras na casa.

Homicídio

O crime aconteceu por volta das 21h40, na Favela Cidade de Deus. De acordo o registro feito na Polícia Civil, Agnaldo teria ameaçado a ex-mulher e os familiares dela ficaram revoltados. Eles perseguiram a vítima com facas.

Teria acontecido uma revolta entre os moradores e familiares da vítima, que perseguiram Agnaldo, que foi atingido por uma facada. Ele correu e caiu em uma cerca de arame. A ex-mulher e várias pessoas chegaram em seguida e o homem foi atingido com vários chutes e socos.

O crime dividiu opiniões na favela. Vizinhos disseram que Aguinaldo foi casado com a mulher, se separou, mas continuou morando próximo da casa da ex-companheira. Na noite da terça-feira (9), os moradores dizem que antes de a vítima chegar ao local, a família da ex-mulher estaria andando pelas ruas da favela com facas, dizendo que “ia beber o sangue” dele.

Aguinaldo teria sido, segundo os vizinhos, abordado antes mesmo de chegar a casa. Conforme a Polícia Civil, ele foi atingido por várias facadas. Um golpe nas costas teria causado a morte.

Conforme os vizinhos, pelo menos a ex-mulher, a filha dela e um familiar delas teriam participado do linchamento. A filha já cumpriu pena por tráfico de drogas e tem uma irmã também presa.

Jornal Midiamax