Cotidiano

Capital registra segundo caso de raiva no ano; veja como se prevenir

Morcego foi encontrado em residência na região central

Midiamax Publicado em 13/04/2015, às 20h51

None
morcego.jpg

Morcego foi encontrado em residência na região central

Campo Grande registrou o segundo caso de raiva de 2015 na sexta-feira (10). Um morcego foi encontrado em casa na região central na quinta-feira (9) e exames do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) confirmaram que o animal está infectado pelo vírus da raiva.

O primeiro caso de raiva na Capital em 2015 também foi em um morcego encontrado em residência na região central. Entretanto, a veterinária do CCZ Ana Paula Nogueira, negou que a região seja mais suscetível ao vírus.

Ana Paula ressalta que mesmo com raiva, o morcego não deve ser morto. “Ele tem importância ecológica”, explica. A veterinária diz que não há motivos para entrar em pânico e deu dicas de como reagir a esse tipo de situação. Manter as janelas fechadas para evitar a visita dos morcegos é o começo de tudo.

“A população deve se preocupar quando um morcego entrar em casa e cair no chão, vivo ou morto. É preciso colocar um balde em cima dele e não deixar ninguém tem contato com ele, nem cães ou gatos, que devem também estar com a vacina anti rábica em dia”, orienta. O segundo passo é ligar para o CCZ via 3314-5000 para que o animal seja recolhido. O CCZ atende das 7 horas às 21 horas.

Surto em Corumbá

Com seis casos confirmados no ano, Corumbá (a 420 quilômetros da Capital) está com surto de raiva, confirmado pela Secretaria Municipal de Saúde no início de abril. Cinco cães e um bovino estão infectados.

Após a confirmação do surto, o CCZ de Corumbá age com o chamado “bloqueio dos focos”, onde vacina os cães da região e arredores.  Até o momento, cerca de 8 mil animais, incluindo cães e gatos já receberam a dose de imunização contra a raiva . 

Jornal Midiamax