Cotidiano

Baixa pressão: meteorologista explica causa de vendaval em MS

Em Deodápolis choveu granizo durante tempestade

Mikaele Teodoro Publicado em 11/07/2015, às 14h33

None
img-20150711-wa0025.jpg

Em Deodápolis choveu granizo durante tempestade

A chuva forte e as rajadas de vento da madrugada deste sábado (11) causaram destruições em Campo Grande e também no interior de Mato Grosso do Sul. A instabilidade gerada por um sistema de baixa pressão instalado na região centro-oeste de Mato Grosso do Sul deve seguir até o próximo sábado (18).

Em Deodápolis, 260 quilômetros ao sul de Campo Grande, choveu granizo. Na Capital, os ventos chegaram a 63,36 quilômetros por hora, segundo informações do Cemtec (Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos).

De acordo com a meteorologista Cátia Braga, do Cemtec, o vento forte é explicado pela mudança da alta para a baixa pressão atmosférica. Em Campo Grande, houve destelhamentos e muitas arvores caídas, algumas delas sobre fios da rede de alta tensão.

A Defesa Civil avalia o tamanho da destruição. De acordo com Cátia, as rajadas de vento são as responsáveis pela destruição.

Às 6 horas deste sábado os ventos alcançaram 44,65 quilômetros por hora. A rajada mais forte foi registrada às 9 horas, quando superou os 63,36 quilômetros por hora.

Cátia explica que tanto a chuva quanto o vento forte não são comuns nessa região do ano. A explicação para o fato atípico é o fenômeno El Ninho. Julho já superou o registro histórico de chuvas, saltando de 41 para 51 milímetros.

A instabilidade pode seguir até sábado (18) quando deve parar de chover e a umidade relativa do ar deve baixar. Até lá, a expectativa é de muita chuva e vento em todo Estado   

Jornal Midiamax