Cotidiano

Moradores do São Francisco reclamam do corte de árvore histórica no bairro

Por volta das 15h desta quinta-feira (26), moradores do bairro São Francisco, em Campo Grande, solicitaram a presença da reportagem do Midiamax para registrar o corte de uma grande árvore, na avenida Euler de Azevedo. “Não pode chegar e ir cortando, não é assim, não. Gente… essa árvore é centenária! É muito antiga e importante […]

Arquivo Publicado em 27/01/2012, às 10h05

None

Por volta das 15h desta quinta-feira (26), moradores do bairro São Francisco, em Campo Grande, solicitaram a presença da reportagem do Midiamax para registrar o corte de uma grande árvore, na avenida Euler de Azevedo.

“Não pode chegar e ir cortando, não é assim, não. Gente… essa árvore é centenária! É muito antiga e importante pra vizinhança toda”, reclamou João Marcos Leite.

O aposentado disse que, por volta das 13h30 de hoje, homens, com uma moto serra, chegaram e rapidamente derrubaram a grande mangueira histórica. “Era a diversão do pessoal por aqui. Na minha infância principalmente, a gente aproveitava muito a sombra dessa árvore e fazia roda de amigos pra brincar. Até hoje a gente costumava se reunir pra tomar tereré também”, disse ainda João Marcos.

O aposentado mora há mais de 50 anos na avenida Euler de Azevedo, próximo ao final da Rua 14 de Julho. Segundo ele, desde quando a família mudou pro endereço atual, a árvore já havia sido plantada ali.

Obras na região

O tronco e as raízes ainda não foram retirados; já os galhos estão espalhados pela calçada, próximo ao antigo trilha da linha férrea, em frente à Escola Estadual Nicolau Frageli.

Quando a equipe do Midiamax chegou ao local, havia um grupo de pessoas (não sabemos se eram funcionários da construtora que realiza obras na região ou outros funcionários), mas a verdade é que ninguém se habilitou a falar com a reportagem.

Enquanto isso, funcionários de uma empreiteira estavam trabalhando na região onde a árvore foi cortada, nas imediações onde deve ser realizada a continuidade das obras da Orla Morena.

“Não tem problema com recordações, não! Se precisa tirar pra trazer obra nova, pra melhorar a região, tem mais é que cortar mesmo”, falou Maria Lurdes Oliveira.

A dona de casa mora há mais de 30 anos no conjunto ferroviário, a pouco mais de 60 metros da árvore, que foi cortada hoje. “Olha, se fosse uma casa, aí sim era mais complicado, mas é apenas uma árvore, não precisa fazer tanta polêmica. Eu quero é melhorias, crescimento pro meu bairro”.

Jornal Midiamax