Cotidiano

Para recuperar região atingida pelas chuvas área de bairro será desapropriada em Corumbá

É absolutamente caótica a situação em que vivem os moradores dos Conjuntos Cravo Vermelho I, II e III, na região do bairro Cristo Redentor, parte alta de Corumbá. As chuvas que caíram fortemente entre o final de fevereiro e início de março tornaram as ruas e alamedas intransitáveis; alagaram casas e praticamente tiraram a localidade […]

Arquivo Publicado em 12/03/2011, às 10h37

None

É absolutamente caótica a situação em que vivem os moradores dos Conjuntos Cravo Vermelho I, II e III, na região do bairro Cristo Redentor, parte alta de Corumbá. As chuvas que caíram fortemente entre o final de fevereiro e início de março tornaram as ruas e alamedas intransitáveis; alagaram casas e praticamente tiraram a localidade da rota de ônibus urbanos. Água segue descendo da morraria que circunda a área e invadindo quintais e campos.

“As ruas daqui quando chove viram lagoas. Agora, a 7 de Setembro e a 15 de Novembro não dá para passar que atola”, afirmou ao Diário Eliane da Silva Prates, moradora na alameda Santo Antônio, no Cravo Vermelho II. “Minha casa foi invadida pela água”, disse complementando que mora junto com a filha. Terezinha Jaqueline, que mora no Cravo III, contou que a rua da casa dela também está comprometida, que a água segue descendo e empoçando nas proximidades de sua casa.

Estão em andamento, obras emergenciais de drenagem e recuperação das ruas. O trabalho é realizado pela Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Serviços Urbanos para escoar a água e recuperar as principais vias de acesso aos Cravos II e III. A ação vai facilitar o tráfego de veículos e pedestres pelas ruas Maranhão e Sete de Setembro. A drenagem é realizada com implantação de manilhas e abertura de canais, para escoar a água que desce da região de morraria, onde antigamente existia um lixão.

Desapropriação

O prefeito anunciou que vai desapropriar a área onde fica o Cravo Vermelho III e lá construirá um conjunto habitacional. O local foi invadido por famílias de sem teto há oito anos. “Vamos desapropriar a área e destiná-la para construção de um conjunto habitacional e priorizarmos essas pessoas que têm condições de ficar lá. Há algumas que estão próximas de morro e a Defesa Civil vai interditar porque não pode ficar, há riscos de deslizamento e desmoronamento, não é o mais indicado. Essas vão ser removidas. Os R$ 2 milhões do Ministério da Integração, vamos priorizar o uso para essa área aqui, com drenagem e pavimentação”, explicou o prefeito ao se referir aos recursos que estão sendo buscados junto ao Governo Federal, com apoio do senador Delcídio do Amaral.

O Município planeja construir 160 novas moradias, possivelmente pelo Programa Minha Casa, Minha Vida, em parceria com o Governo Federal, para atender a comunidade local. O prefeito Ruiter Cunha ressaltou que 171 famílias já deixaram o Cravo III e foram reassentadas no conjunto Ana de Fátima Brites Moreira, o PAC – Casa Nova. No entanto, houve famílias que não aceitaram deixar o local e Ruiter informou que, a partir da desapropriação, elas receberão a titulação dos terrenos, mas passarão a residir em moradias dignas, dotadas de infraestrutura.

Ação emergencial

A Subsecretaria de Habitação faz um levantamento minucioso de toda a área, para detectar as famílias que devem ser removidas e reassentadas definitivamente em moradias livres de problemas como os que ocorreram agora.

A Secretaria de Saúde mantém, no Cravo Vermelho, equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF), com médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem atendendo a comunidade. Equipes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Vigilância Epidemiológica e Defesa Civil também estão com atividades na localidade.

A Secretaria de Assistência Social e Cidadania cadastra famílias para distribuição de colchões, cestas básicas, roupas e outros itens para garantir o necessário à sobrevivência das famílias nas casas para onde serão removidas.

Jornal Midiamax