Mourão é criticado por ironizar apuração de crimes da ditadura militar

Nesta segunda-feira (18) o general da reserva foi questionado após a revelação de áudios de sessões do Superior Tribunal Militar
| 19/04/2022
- 14:10
Vice-presidente Hamilton Mourão
Vice-presidente Hamilton Mourão - Foto: Reprodução

A declaração irônica e debochada do vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) sobre a possibilidade de se apurar os crimes ocorridos nos porões da foi recebida com críticas pela oposição nas redes sociais. Nesta segunda-feira, 18, o general da reserva foi questionado após a revelação de áudios de sessões do Superior Tribunal Militar (STM) com relatos sobre tortura durante o regime. "Apurar o quê? Os caras já morreram tudo, pô (sic). Vai trazer os caras do túmulo de volta?", declarou, rindo, na chegada ao Palácio do Planalto.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que se o general está ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PL) é porque se identifica "com a impunidade, com a tortura, com a ditadura", e defendeu que Mourão deve "sair do controle do País".

A ex-ministra do Marina Silva (Rede) classificou a fala como algo a "se indignar e chorar". "Além da falta de competência desse governo, há também muita falta de sensibilidade", publicou em sua rede social.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) lamentou o ocorrido e defendeu que o "deboche inumano" de Mourão representa a "exata dimensão da escória que chegou ao poder com Bolsonaro": "Trogloditas insensíveis, despreparados e disparatados. Uma lástima", disse.

Guilherme Boulos (PSOL) disse que muitos parentes dos mortos na ditadura seguem à espera de respostas. "Muitas mães seguem até hoje sem saber onde estão seus filhos desaparecidos. É por isso que exigimos memória, verdade e justiça, senhor Mourão!", disse

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) questionou Mourão sobre as torturas e sumiços da ditadura militar: "o general e seus colegas podem responder 'onde estão os túmulos?'".

A deputada federal Natália Bonavides (PT-RN) relembrou a dor das famílias com as perdas da ditadura. "A ditadura assassina que você defende, além de matar, não deu às famílias o direito de enterrarem seus mortos. Não há túmulos. Estão desaparecidos até hoje. Onde está Fernando Santa Cruz? Luiz Maranhão? Virgílio Gomes da Silva?", perguntou.

Veja também

Etiqueta indica diferença de consumo de até 30% entre produtos

Últimas notícias