Brasil

Médico de Bolsonaro descarta necessidade de cirurgia após avaliação

O presidente segue em evolução satisfatória e deve iniciar uma dieta líquida

Maria Eduarda Fernandes Publicado em 04/01/2022, às 14h46

Registro feito do presidente hoje pela manhã
Registro feito do presidente hoje pela manhã - Divulgação

Nesta terça-feira (4), os médicos responsáveis pelo acompanhamento da internação do presidente Jair Bolsonaro (PL) descartaram a necessidade de uma nova cirurgia para resolver uma obstrução no intestino. Segundo o médico Antônio Luiz de Vasconcellos Macedo, o presidente está reagindo bem ao tratamento.

Bolsonaro está internado no Hospital Vila Nova Star desde a madrugada da primeira segunda-feira do ano (3), após sentir fortes dores abdominais. Depois de realizar uma bateria de exames, o presidente foi diagnosticado com suboclusão intestinal.

Em nota divulgada na manhã desta terça-feira (4), a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) afirmou que “o quadro de suboclusão intestinal do Presidente da República, Jair Bolsonaro, se desfez, não havendo indicação cirúrgica”. Ainda de acordo com o comunicado, o presidente segue em evolução satisfatória e deve iniciar uma dieta líquida.

Essa é a terceira vez que Bolsonaro apresenta esse diagnóstico no intestino. A primeira foi em setembro de 2018, após ser atingido por uma facada enquanto fazia sua campanha eleitoral. A segunda em julho de 2021 após um desconforto, e a terceira vez é essa atual. 

Ainda não há previsão de alta.

O que é suboclusão intestinal?

Oclusão é um termo técnico para obstrução, quando a alimentação e as secreções digestivas não conseguem progredir pelo tubo digestivo. No caso de Bolsonaro, o “termo suboclusão” indica que há uma obstrução parcial. A suboclusão é uma oclusão incompleta. As secreções continuam chegando ao intestino, mas o paciente não consegue as eliminar. Assim, o abdômen fica distendido e a pessoa sente dores.

Jornal Midiamax