Lira critica estudo sobre maior poder do parlamentar brasileiro sobre o Orçamento

| 19/04/2022
- 23:51
Lira critica estudo sobre maior poder do parlamentar brasileiro sobre o Orçamento
Lira defendeu as emendas de relator-geral (Foto: Agência Brasil)

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), criticou nesta terça-feira, 19, o estudo do economista Marcos Mendes para o Instituto Millenium, mostrando que a captura do dinheiro por emendas parlamentares no Brasil não encontra paralelo na comparação com outros países.

"Ela (a pesquisa) está totalmente infundada. Eu, assim que fui instado por um ou dois de comunicação, reportei a mensagem ao relator do Orçamento", disse Lira. "Os outros países têm instrumentos, institutos de fomento à economia, cada um tem a sua expertise de gerir o Orçamento. Mas em todos os lugares do mundo o Orçamento é feito pelo Congresso", emendou o presidente da Câmara.

Lira defendeu as emendas de relator-geral, que estão no centro do orçamento secreto, esquema revelado pelo Estadão, no ano passado, por meio do qual o governo destina verbas a parlamentares aliados sem critérios definidos e transparência.

"Eu costumo dizer: o tão polêmico Orçamento do relator-geral tem tido sempre adequações para torná-lo mais transparente, mais acessível, mais justo, mais perto dos anseios populares. E ele equivale a 0,03% do Orçamento Geral da União. Então, a gente tem que ter muito cuidado com esse números e como os outros países fazem. É muito fácil você fazer uma comparação rasa de um assunto, sem profundidade", declarou o presidente da Câmara.

De acordo com o estudo de Mendes, os deputados e senadores brasileiros interferem até 20 vezes mais no Orçamento do que congressistas de nações integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo do qual o País quer fazer parte.

Veja também

No Calendário Nacional de Vacinação, o imunizante está disponível para pessoas de 12 meses a 59 anos

Últimas notícias