A Justiça do Trabalho suspendeu preventivamente em todo o Brasil o acesso aos sistemas de pagamento de alvarás eletrônicos após a invasão de plataforma do TRT1 (Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região), no Rio de Janeiro. Foram desviados pelo menos R$ 4 milhões.

Em ofício distribuído aos demais desembargadores, a presidente do TRT-1, Edith Tourinho, relatou que a 80ª Vara do Trabalho do Rio emitiu alvarás de pagamento para pessoas que não estavam relacionadas nos processos.

Ainda conforme o documento obtido pelo site O Bastidor, a PF (Polícia Federal) foi acionada após a constatação da fraude. Ainda não se sabe como os sistemas internos do tribunal foram invadidos.

Em nota, o TST (Tribunal Superior do Trabalho) informou que houve fraude na emissão de certificados digitais, utilizados por magistradas e magistrados para autorizar pagamentos.

Assim como o TRT-1 suspendeu o acesso ao SIF (Sistema de Interoperabilidade Financeira) e ao Siscondj (Sistema de Controle de Depósitos Judiciais), o TST determinou que todos os tribunais do País façam o mesmo.

“Uma equipe técnica da Justiça do Trabalho está atuando para restabelecer a normalidade com a maior agilidade possível, além de colaborar com as autoridades competentes na investigação do caso e na análise, junto à empresa de certificação, das possíveis causas”, diz o comunicado.