Coordenador que negociou ida de Moro ao União recebeu R$ 60 mil do Podemos

Ele foi um dos responsáveis por articular a troca de partido do ex-ministro para o União Brasil
| 05/04/2022
- 10:09
Sérgio Moro
Sérgio Moro - Divulgação

Dentro do montante investido pelo na pré-campanha de Sérgio Moro, suspensa pelo ex-juiz ao migrar para o União Brasil, o partido calcula que pagou R$ 60 mil de recursos de sua fundação ao coordenador de campanha do ex-ministro, o advogado Luis Felipe Cunha. Ele foi um dos responsáveis por articular a troca de partido do ex-ministro para o União Brasil - mudança condicionada à sua desistência da corrida presidencial.

Segundo o partido, os valores foram pagos em duas vezes à empresa do advogado, Bella Ciao, e teriam o objetivo de colaborar com a elaboração do plano de governo quando o ex-juiz ainda apostava na corrida presidencial.

Cunha chegou na pré-campanha em meados de dezembro, e promoveu uma fase de "separação de corpos" entre o ex-juiz e o Podemos, quando cercou Moro de pessoas de confiança externas à estrutura do partido. Foi um dos pivôs da disputa por dinheiro entre a equipe do ex-ministro e a presidente do Podemos, Renata Abreu. O partido se comprometeu a disponibilizar R$ 40 milhões para a campanha. Integrantes da legenda afirmaram ao Estadão que Moro e Cunha pediam R$ 70 milhões.

O advogado também foi responsável por substituir a agência contratada pelo Podemos pelo marqueteiro Pablo Nobel, que assumiu a campanha de Moro. Também manteve próximo da equipe o marqueteiro Paulo Vasconcelos, que trabalhou para (PSDB) em 2014 e, depois, foi delatado por executivos da Odebrecht por supostamente receber doações via caixa 2 em 2014 e 2010.

Cunha era figura presente em reuniões estratégicas de campanha no Hotel Intercontinental, em São Paulo. Custeado pelo partido para hospedar Moro, o estabelecimento também foi palco da reunião que selou a ida do ex-juiz para o União Brasil, na quinta-feira passada, dia 31.

Na campanha, Cunha foi responsável por apresentar Moro a empresários como Paulo Marinho, que rompeu com o presidente Jair Bolsonaro. Nos diálogos, chegou a sugerir a criação de uma conta apartada do partido para sustentar a campanha, onde receberia doações mensais de R$ 25 mil de aproximadamente 40 empresários, absorvendo R$ 1 milhão por mês.

Especialista em contencioso, o advogado teve em sua clientela a Petrobras - que esteve no centro da Lava Jato -, o Sesc de Brasília e jogadores de futebol. Cunha segue ao lado de Moro na agenda de encontros do ex-juiz.

Procurado, Cunha não respondeu por quais serviços cobrou o valor da legenda. Conforme mostrou o Estadão, o Podemos estima gastos acima de R$ 2 milhões com a pré-campanha do ex-juiz.

Veja também

A Ação da Cidadania, em parceria com outras instituições, lançou hoje (23) o Pacto pelos...

Últimas notícias