Barroso manda à PF documentos e provas da CPI da Covid contra Bolsonaro e aliados

| 24/04/2022
- 20:04
Barroso manda à PF documentos e provas da CPI da Covid contra Bolsonaro e aliados
Em despacho dado na quarta, 20, o ministro baseou a determinação na 'necessidade de análise mais precisa' (Foto: Roberto Jayme/ASCOM/TSE)

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, acolheu um pedido da Procuradoria-Geral da República e determinou a remessa, à Polícia Federal, de documentos e provas que constam no relatório da e implicam o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados.

Em despacho dado na quarta, 20, o ministro baseou a determinação na 'necessidade de análise mais precisa' das provas colhidas pelos parlamentares, citando ainda uma 'dificuldade' apresentada pela PGR.

A indicação faz referência a informação prestada pelo órgão no sentido de que o relatório da CPI não teria sido 'preciso' em vincular as condutas supostamente criminosas aos documentos colhidos durante a parlamentar'.

"Há, portanto, a necessidade de sistematizar a documentação apresentada a fim de que se possa subsidiar eventual pedido de instauração de inquérito, arquivamento ou oferecimento de denúncia", registro Barroso no despacho.

O chefe do Ministério Público Federal, Augusto Aras, quer que a PF examine o conjunto probatório coletado pela CPI na busca de 'provas individualizadas e destacadas' sobre a hipótese criminal de que o chefe do Executivo e uma série de aliados - incluindo seus filhos Flávio e Eduardo - informaram publicamente a prática de crime no contexto da pandemia da covid'.

Incitação ao crime

Quando a CPI da Covid apresentou o relatório final da investigação parlamentar, sugerindo 68 indiciamentos, foi descrita a conduta de Bolsonaro enquadrada como incitação ao crime. Os parlamentares apontaram não só a omissão do governo na conscientização da população acerca da pandemia, mas também a 'participação efetiva' do presidente, de seus filhos, de parlamentares, do primeiro escalão do governo e de empresários na criação e disseminação das informações falsas sobre a covid-19.

No documento de mais de mil páginas, a CPI afirmou que o chefe do Executivo e seus aliados, em um contexto de 'comunicações enganosas' e 'de forma mal intencionada e visando interesses próprios e escusos', 'provocaram grande confusão na população, levando as pessoas a adotarem comportamentos inadequados para o combate à pandemia'.

"A incitação ao crime por parte do presidente Jair Bolsonaro também ocorreu pela disseminação de notícias falsas (fake news) que encorajaram os brasileiros a infringirem medidas sanitárias preventivas, conduta que, como visto, é tipificada como crime pelo art. 268 do CP. Em relação a esse delito, o Chefe do Executivo não agiu sozinho, na verdade, foram vários os agentes, sempre contanto com uma estrutura organizada", registra trecho do relatório.

Veja também

Na data também comemora-se o Dia Internacional Contra a Discriminação Racial.

Últimas notícias