Brasil

Lula: ‘Tem um canalha esperando que a gente vá dar uma surra nele. Nós não vamos’

"Haverá um dia em que esse filho da mãe vai cair numa desgraça tão grande que ele vai implorar pra ter um ovo pra comer”, diz ex-presidente

Da Redação Publicado em 03/09/2021, às 18h52

None
Divulgação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursou na noite de domingo (25) no centro de São Miguel do Oeste para mais uma multidão de trabalhadores, estudantes, agricultores familiares e populares que se prepararam para receber a Caravana Lula pelo Brasil no interior de Santa Catarina. Antes do evento de encerramento da jornada, a caravana foi atacada na estrada por grupos criminosos, segundo os organizadores, que a estão perseguindo desde o Rio Grande do Sul, sem reação da polícia e das autoridades. 

Antes do episódio, Lula havia visitado empreendimentos agrícolas familiares em Nova Erechim. E depois, teve o mesmo compromisso com trabalhadores de São Miguel. Ao encerrar a agenda do dia, o ex-presidente foi contundente com a agressividade dos “canalhas sem cara” que estavam atirando ovos do alto de um prédio vizinho ao ato público.

“Tem um canalha esperando que agente vá lá e dê um surra nele. A gente não vai fazer isso. Eu espero que a Polícia Militar tenha a responsabilidade de entrar naquela casa, pegar esse canalha e dar um corretivo nele. Esse cara ou é um débil mental ou não o menor apreço por qualquer ser humano. Esse canalha deveria saber que tem crianças aqui”, alertou.

O pré-candidato à presidência da República lembrou outras disputas e derrotas, com resignação. E lembrou a ideia da caravana, a partir do início dos anos 1990, como uma forma de discutir projetos para um país continental, de acordo com a realidade de cada região.

“Em andei 91 mil quilômetros de barco, de trem, de ônibus, e nunca na minha vida eu vi a cena que eu vi começar de Bagé (no dia 19). A caravana começou por lá por que eu queria conhecer a universidade que eu criei. Esses canalhas colocaram alguns tratores na entrada para que eu não conseguisse entrar. Nós entramos”, disse. “Nós saímos de lá, e em toda cidade que a gente foi, lá estavam eles.”

Neste domingo, o coletivo Advogados e Advogadas pela Democracia, no Paraná, onde a comitiva de Lula chega nesta segunda-feira, propôs a formação de uma força-tarefa contra crimes e ameaças virtuais à caravana. A ideia é catalogar catalogar os episódios de ataque e encaminhar medidas penais. “Pedimos a todas e todos que estejam atentas/os, printem as telas que encontrarem e enviem para o e-mail [email protected]“, diz postagem do coletivo. “Caso conheçam o autor de postagem criminosa, gentileza nos enviar texto com nome e cidade, bem como outros dados que possam identificar a pessoa.”

*Com informações: Rede Brasil Atual

Jornal Midiamax