Brasil

CPI: Senador pede explicações sobre 'guerra química' citada por Bolsonaro

O senador afirmou que irá fazer o requerimento para que um responsável da Abin explique as declarações do presidente

Estadão Conteúdo Publicado em 06/05/2021, às 11h16

Segundo Jereissati, o representante da Abin será questionado sobre a possível existência de uma "guerra química" da China
Segundo Jereissati, o representante da Abin será questionado sobre a possível existência de uma "guerra química" da China - Foto: Arquivo/Agência Senado

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), um dos primeiros parlamentares a falar na sessão desta quinta-feira (6) da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Pandemia, reagiu às recentes falas do presidente Jair Bolsonaro contra a China, e afirmou que irá fazer o requerimento para que um responsável da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) compareça ao colegiado para explicar as declarações do presidente.

Segundo Jereissati, o representante da Abin será questionado sobre a possível existência de uma "guerra química" da China - conforme declarações feitas na quarta-feira pelo presidente Bolsonaro.

"Ontem o presidente da república fez uma das declarações mais graves e sérias que eu já vi um presidente da república no Brasil fazer, de que a pandemia poderia fazer parte de uma guerra química provinda da sua origem, evidentemente ele não fala o nome, mas da China. Isso é muito grave. Se nós estamos vivendo uma guerra química é uma das piores situações mundiais desde a Segunda Guerra Mundial se não, nós estamos fazendo uma injúria contra o nosso maior fornecedor de vacinas neste momento", afirmou o senador.

Jornal Midiamax