Brasil

CPI pode convocar atual governador do RJ para apurar denúncias de Witzel

Agência Senado Publicado em 21/06/2021, às 17h01

Requerimentos pedem convocação de Claudio Castro para falar sobre possível desvio de recursos de hospitais de campanha
Requerimentos pedem convocação de Claudio Castro para falar sobre possível desvio de recursos de hospitais de campanha - Foto: Rogério Santana/Governo do RJ

A CPI da Pandemia pode votar nesta terça-feira (22) a convocação do governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro. Se os requerimentos forem aprovados, Castro deve ser chamado a depor sobre o suposto desvio de dinheiro público na instalação de hospitais de campanha para tratamento da covid-19. A comissão tem um total de 57 requerimentos na pauta.

A convocação de Claudio Castro foi sugerida pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI. Eles querem descobrir se organizações sociais contratadas pelo governo estadual foram usadas para o desvio de recursos públicos. Outro requerimento sugere a convocação do secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe.

O suposto esquema foi denunciado pelo ex-governador Wilson Witzel, que depôs à CPI no dia 16 de junho. Para aprofundar essa linha de investigação, a comissão parlamentar de inquérito deve votar nesta terça-feira a quebra dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático de sete organizações sociais com atuação no Rio de Janeiro. São elas:

  • Instituto Unir Saúde;
  • Viva Rio;
  • Associação Filantrópica Nova Esperança;
  • Associação Mahatma Gandhi;
  • Instituto dos Lagos Rio;
  • Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas); e
  • Instituto Diva Alves do Brasil (Idab).

Hospitais federais

Os parlamentares podem votar ainda requerimentos do senador Humberto Costa (PT-PE) para analisar contratos firmados entre o Ministério da Saúde e hospitais federais durante a pandemia. No depoimento à CPI, Wilson Witzel insinuou haver indícios de corrupção também nessas contratações. Há pedidos de informação para os seguintes estabelecimentos:

  • Hospital Federal da Lagoa;
  • Hospital Federal de Ipanema;
  • Hospital Federal Cardoso Fontes;
  • Hospital Federal de Bonsucesso;
  • Hospital Federal do Andaraí;
  • Hospital Federal dos Servidores do Estado;
  • Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia;
  • Instituto Nacional do Câncer; e
  • Instituto Nacional de Cardiologia.

Dois requerimentos na pauta sugerem um novo depoimento de Wilson Witzel. Um pedido prevê a realização de sessão reservada da CPI, e outro propõe diligência externa para ouvir o ex-governador de forma secreta.

Um requerimento de convite prevê a realização de audiência pública com o governador do Piauí, Wellington Dias. Ele deve ser ouvido na condição de representante do Fórum dos Governadores.

“Motociata”

A comissão de inquérito pode votar requerimentos para apurar a realização de atos políticos promovidos pelo presidente Jair Bolsonaro. O senador Randolfe Rodrigues quer saber por que o presidente da República provocou aglomerações no Rio de Janeiro, com a participação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, e em São Paulo.

As “motociatas” do presidente da República também são alvo de requerimento do senador Humberto Costa. Ele sugere que o Tribunal de Contas da União (TCU) promova uma auditoria para esclarecer a origem de “todas as despesas com os eventos, inclusive gastos com pessoal, transporte e segurança”.

Redes sociais e sigilo

A convocação de representantes das plataformas Facebook e Google, que gerencia o YouTube comissão, também será analisada pela comissão. O senador Randolfe Rodrigues quer ouvi-los sobre a “avalanche de desinformações sobre a pandemia”. O vice-presidente da CPI é autor ainda de um pedido de informações ao Twitter sobre a exclusão de contas que disseminavam informações falsas sobre o enfrentamento ao coronavírus.

A CPI da Pandemia tem na pauta a quebra dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático de 11 firmas ligadas ao empresário Carlos Wizard, apontado como financiador do “gabinete paralelo” da Saúde. Outro alvo das quebras de sigilo é Alex Lial Marinho, coordenador-geral de Aquisições de Insumos Estratégicos para Saúde do Ministério da Saúde.

Quilombolas

A CPI pode votar seis pedidos de informação que buscam investigar o enfrentamento à pandemia em comunidades indígenas e quilombolas. Os dados foram requeridos aos Ministérios Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; da Cidadania; e da Saúde, além da Secretaria de Governo da Presidência da República e da Controladoria-Geral da União (CGU). Os órgãos terão dez dias para apresentar as informações.

Outro requerimento na pauta pede que o Ministro da Defesa informe todos os registros de voo realizados pela médica Nise Yamaguchi e dois irmãos dela em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). O mesmo pedido já havia sido feito a quatro companhias aéreas comerciais.

Jornal Midiamax