Brasil

Bolsonaro atribuiu à proximidade do carro de som a radicalização dos atos em SP

Em mais uma tentativa de minimizar a tensão entre os poderes

Agência Estado Publicado em 10/09/2021, às 00h15

Reprodução
Reprodução

Em mais uma tentativa de minimizar a tensão entre os poderes, o presidente Jair Bolsonaro atribuiu à proximidade do carro de som a radicalização dos atos de 7 de setembro em São Paulo, marcados por pautas antidemocráticas e ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF).

"Logicamente, na Paulista, pela proximidade do carro de som, tudo ficou mais inflamado", declarou Bolsonaro na noite desta quinta-feira, em transmissão ao vivo nas redes sociais, acrescentando que não trabalha pela reeleição.

Hoje, após uma conversa com o ex-presidente Michel Temer, Bolsonaro divulgou uma carta à nação pedindo harmonia entre os poderes e pregando o respeito às instituições.

Na live, o chefe do Planalto ainda admitiu que "teve gente bem de saúde" que morreu por covid-19. No início da pandemia, o presidente dizia que pessoas com histórico de atleta não seriam vitimadas pela doença.

Jornal Midiamax