Na manhã desta quinta-feira (30), a Policia Federal de Pernambuco deflagrou a operação Coffe Break, desdobramento da Operação Casa de Papel, realizada no mês passado. De acordo com as investigações, empresas controladas pela organização criminosa alvo da Operação Casa de Papel firmaram contratos de quase R$ 40 milhões com a Alepe (Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco).

Segundo o portal pernambucano TV Jornal, a nova fase da investigação apura o favorecimento dessas empresas com a ajuda de um servidor comissionado da Assembleia Legislativa de Pernambuco. Ele atuava na comissão de pregoeiros e no setor responsável por pagamentos. O servidor e o líder da organização criminosa são indicados pelos crimes de corrupção, advocacia administrativa e dispensa indevida de licitação.

A solicitação de propina foi mascarada de um convite para tomar café, fato que deu nome à operação desta quinta-feira. A Justiça Federal determinou o afastamento do servidor de suas funções e de qualquer atribuição que envolva contratos e licitações.

Ao todo são 10 mandados de busca e apreensão, sendo quatro cumpridos na Alepe. Segundo a PF, nenhum gabinete de deputado é alvo de buscas e as investigações concentram-se na coleta de documentos dos setores da Superintendência Geral e de Planejamento e Gestão, além da sala dos pregoeiros. Também estão sendo cumpridos mandados em residências nas cidades de Gravatá e Ipojuca, além da capital Recife.

(Com informações do portal TV Jornal)